finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsa de Nova York cai ao menor nível em cinco anos

Más notícias sobre a economia derrubaram o índice Dow Jones nesta quarta-feira.

Da BBC Brasil, BBC

20 de novembro de 2008 | 03h03

O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, caiu 5,07% nesta quarta-feira, em seu menor nível em cinco anos, enquanto os temores sobre os efeitos da crise na economia americana aumentam.A bolsa de Nova York fechou em 7.997,28 pontos nesta quarta-feira. Esta foi a primeira vez que o Dow Jones encerrou o pregão abaixo do nível de 8 mil pontos desde março de 2003.A nova queda no índice foi atribuída às más notícias sobre a economia americana divulgadas nesta quarta.O Departamento do Trabalho dos Estados Unidos informou que os preços ao consumidor no país caíram 1% em outubro em relação ao mês anterior.Trata-se do maior recuo mensal desde que o Departamento começou a compilar seu Índice de Preços ao Consumidor, em fevereiro de 1947. A diminuição foi liderada pelo preço da gasolina, que caiu 14,2% em outubro - também um novo recorde. Também nesta quarta-feira, o Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos, revisou suas previsões de crescimento da economia americana para 2008 e 2009.De acordo com as novas previsões, neste ano os Estados Unidos terão crescimento zero do PIB ou um crescimento bem pequeno, de no máximo 0,3%. Com relação ao ano que vem, o Fed acredita que o PIB poderia recuar até 0,2% ou crescer até 1,1%.Segundo economistas, a rápida queda nos preços ao consumidor deve fazer com que o Fed corte ainda mais os juros para tentar frear a crise. O Fed deve cortar a taxa de juros dos EUA em 0,5% em dezembro, depois de já ter baixado os juros por duas vezes em outubro. A taxa atual é de 1%."Certamente o Fed está confirmando o que o mercado já havia percebido: a recessão chegou", disse Bruce Zaro, da Delta Global Advisors, em Boston.MontadorasO momento também é de incertezas em relação à saúde financeira das três maiores montadoras de carros dos EUA, General Motors, Ford e Chrysler. Os diretores-executivos destas empresas participaram de audiências no Congresso americano nesta semana onde pediram um pacote de US$ 25 bilhões para ajudá-las a evitar um colapso.Eles pedem que a ajuda seja rápida e afirmam que a falência destas empresas pode fazer com que milhões percam seus empregos nos EUA.A possibilidade de usar parte do pacote de US$ 700 bilhões para o sistema financeiro aprovado em outubro pelo Congresso em uma ajuda às montadoras é alvo de oposição dos parlamentares republicanos e da Casa Branca.Com a crise, as ações das montadoras sofreram perdas recordes na bolsa nesta quarta-feira. As ações da GM tiveram perdas de 9,7%, em sua maior baixa em seis décadas, enquanto a Ford registrou queda de 25%.BancosAs preocupações sobre a retração na economia também atingiram as ações das instituições financeiras. Os papéis do Bank of America caíram 14%, enquanto os do JP Morgan Chase tiveram recuo de 11%.Já as ações do Citigroup registaram perdas de 23%, na maior queda em 13 anos. Nesta semana, a empresa anunciou o corte de 53 mil vagas. As ações do banco já registram perdas de 53% em novembro.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.