Bolsa de Nova York fecha com menor nível em pontos desde 2004

Mercados registram fortes quedas, mas conseguem leve recuperação no fim do dia.

Da BBC Brasil, BBC

06 Outubro 2008 | 19h00

A bolsa de valores de Nova York fechou nesta segunda-feira com o nível mais baixo em pontos em quatro anos, em um dia em que foram registradas perdas significativas nos principais pregões em todo o mundo. O índice Dow Jones terminou o dia com queda de 3,58%, na marca dos 9.955,50 pontos - a mais baixa desde outubro de 2004. O Nasdaq recuou 4,34%. As baixas, que chegaram a ser mais intensas durante o dia, refletem as incertezas dos investidores quanto ao pacote aprovado nos Estados Unidos para ajudar o mercado financeiro e também novos sinais de que a crise econômica está se agravando na Europa. Segundo analistas, os investidores temem que o pacote aprovado na sexta-feira não tenha o impacto necessário para reverter a crise e também estão preocupados com a demora na sua implementação. Em uma tentativa de dar segurança aos investidores, uma força-tarefa ligada à Casa Branca para lidar com o mercado financeiro divulgou um comunicado dizendo que está acelerando os preparativos para intervir no mercado, conforme o previsto no pacote. O Fed (Federal Reserve, o banco central americano) também anunciou nesta segunda-feira que passará a pagar juros aos bancos pelas reservas que as instituições são obrigadas a depositar no Fed. Em São Paulo, os negócios na bolsa foram interrompidos duas vezes durante as primeiras horas de pregão, depois de o índice Bovespa registrar queda de mais de 10%. Mas no fim do dia houve uma recuperação, e o índice encerrou o dia com perdas de 5,43%. Europa Na Europa, as principais bolsas de valores fecharam no vermelho nesta segunda-feira: em Londres, o FTSE fechou com queda de 7,85%; em Paris, o Cac recuou 9,04% (a maior queda de sua história) e, em Frankfurt, o Dax desabou 7,07%. Para analistas, essas baixas européias refletem, em parte, as notícias do fim de semana. Na Alemanha, o governo anunciou um novo pacote de socorro, de 50 bilhões de euros, para ajudar o banco Hypo Real Estate, uma das mais importantes financiadoras imobiliárias da Europa. Na semana passada, o Hypo Real Estate havia obtido 35 bilhões de euros do governo alemão e de outras instituições financeiras, mas, no sábado, as instituições desistiram do socorro. Além disso, o banco francês BNP Paribas concordou em comprar 75% das operações do grupo Fortis na Bélgica e em Luxemburgo. Em troca, os governos da Bélgica e de Luxemburgo passarão a ter uma participação acionária minoritária no BNP Paribas. O braço holandês do Fortis foi nacionalizado pelo governo da Holanda. Depósitos O governo alemão anunciou um "compromisso político" de garantir os depósitos em bancos do país, enquanto a Dinamarca passou a garantir todos os depósitos integralmente e a Suécia decidiu aumentar de forma substancial as quantias seguradas. Na semana passada, os governos da Irlanda e da Grécia haviam anunciado que iriam garantir integralmente os depósitos, e cresce a pressão para que outros países, entre eles a Grã-Bretanha, adotem a mesma medida. No sábado, em uma reunião em Paris, os governantes de França, Grã-Bretanha, Alemanha e Itália prometeram empenho para evitar quebras de bancos no continente. Nesta segunda-feira, o primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, e o presidente da França, Nicolas Sarkozy, convocaram reuniões com os presidentes dos principais bancos de seus respectivos países para discutir a crise. Islândia Fora da União Européia, o governo da Islândia - um dos países mais afetados pela crise financeira, devido a peculiaridades de sua economia - anunciou que está preparando um pacote de leis para resgatar o sistema bancário do país. O pacote deve dar poderes amplos ao órgão regulador do sistema financeiro islandês para definir as operações dos bancos e até mesmo forçar um a se fundir com outro ou a pedir concordata. A legislação também deve permitir ao governo assumir empréstimos concedidos para a compra de imóveis, depositando o dinheiro em um fundo estatal. O país também anunciou nesta segunda-feira que vai dar garantia ilimitada aos depósitos bancários. Antes disso, o governo islandês decidiu suspender as vendas de ações de seis das suas maiores instituições financeiras, incluindo os seus três maiores bancos: o Kaupthing, o Landsbanki e o Glitnir (que foi beneficiado por uma operação de ajuda de cerca de US$ 900 milhões na semana passada). Outros mercados Na Ásia, o primeiro pregão após a aprovação do pacote nos Estados Unidos também não mostrou otimismo por parte dos investidores. O índice Nikkei da Bolsa de Tóquio fechou o dia em queda de 4,2% - o menor índice registrado em quatro anos. O índice Hang Seng de Hong Kong recuou 3,4%, e os mercados na China, Austrália e Índia também caíram. Na Indonésia, o índice da maior bolsa do país se despediu da segunda-feira com baixa de 10%, a maior queda de sua história. Como no Brasil, a bolsa de valores de Moscou foi paralisada por causa das quedas. O índice RTS encerrou o dia com perdas de 19,1%. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.