Bolsa de Nova York sobe com Dubai e acordo da Exxon

Conglomerado Dubai World recebe ajuda financeira que reduz risco de insolvência do grupo

Gabriel Bueno, Agência Estado

14 de dezembro de 2009 | 14h08

A Bolsa de Nova York abriu em alta, com investidores aliviados com o anúncio do governo de Dubai sobre o recebimento de US$ 10 bilhões de Abu Dabi, em uma operação para evitar a insolvência do conglomerado Dubai World. Já a petroleira norte-americana Exxon Mobil anunciou um acordo para comprar a XTO Energy por US$ 31 bilhões em ações, o que movimentou o setor de energia.

 

Às 13h54, o índice Dow Jones subia 0,23%. A Alcoa também mostrava força, com alta de 0,55%, enquanto os metais futuros também subiam.

Apesar dos ganhos, havia cautela nos mercados, já que na sexta-feira o Dow Jones quase renovou sua máxima no ano. O Dow fechou a 10.471,58 pontos - maior nível de fechamento desde 2 de outubro de 2008. Há cautela também por causa da Grécia. Ainda hoje, o primeiro-ministro grego, George Papandreou, deve fazer um discurso sobre como pretende cortar o déficit público, após comentários negativos sobre o país vindos de agências de classificação de risco.

 

Entre as ações em foco nesta segunda-feira, 14, o Citigroup caía 4,56%. O gigante do setor bancário chegou a um acordo com o Departamento do Tesouro dos EUA que permitirá ao banco reembolsar os US$ 20 bilhões recebidos no âmbito do Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp). O banco de Nova York terá que substituir totalmente esses recursos devolvidos com capital novo, por meio da emissão de US$ 20,5 bilhões em ações e dívidas, e poderá emitir outros US$ 3 bilhões em títulos no primeiro trimestre de 2010.

 

A Exxon Mobil limitava o índice Dow Jones. As ações da empresa caíam 3,90%, após a Exxon anunciar um acordo para comprar a XTO Energy por US$ 31 bilhões em ações. Com isso, aumentará a presença da gigante do petróleo no setor de gás natural.

 

Já a XTO, que não faz parte do Dow Jones, subia 15,62%, pois o acordo representa um prêmio de 25% para o preço de fechamento da empresa na sexta-feira. Várias outras companhias do setor energético também subiam, com a especulação sobre novos potenciais candidatos a aquisições.

Os ganhos no setor de energia ocorreram apesar das quedas nos futuros de petróleo. Em outros mercados, o dólar se desvalorizava tanto diante do euro quanto do iene. Os futuros do ouro também subiam.

 

Entre outros índices, a Nasdaq subia 0,48%. Já o Standard & Poor's 500 avançava 0,48%, liderado pelo setor de energia. Seu setor de materiais também estava particularmente forte. As ações financeiras eram o único setor do S&P 500 que estava no vermelho.

 

Os ganhos das ações nesta manhã ocorreram após Abu Dabi anunciar um empréstimo de US$ 10 bilhões para evitar a insolvência do conglomerado Dubai World. Ainda que a previsão seja de que os EUA tenham pouca exposição direta ao Dubai World, cresciam as preocupações nas últimas semanas sobre qualquer revés indireto.

 

A Sun Microsystems saltou 9,45%, após a Oracle afirmar que manteve discussões construtivas com a Comissão Europeia sobre a aprovação de seu negócio para comprar a Sun. A Oracle subia 2,28%. As informações são da Dow Jones. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.