Bolsa de NY acentua queda com proposta para saúde

 Proposta prevê custo de US$ 950 bilhões em 10 anos, US$ 75 bilhões acima do calculado no plano dos senadores

Cynthia Decloedt, da, Agência Estado

22 de fevereiro de 2010 | 14h10

As Bolsas norte-americanas reagiram em baixa à divulgação da proposta da administração Obama para reforma do sistema de saúde, com os papéis das companhias farmacêuticas liderando o movimento. Contrabalançando as perdas estavam os papéis de instituições financeiras.

A proposta, que tomou por base o projeto apresentado pelo Senado, prevê um custo de US$ 950 bilhões em 10 anos, US$ 75 bilhões acima do calculado no plano dos senadores. A proposta prevê que um imposto nos planos de saúde mais caros seja adiado para todos os trabalhadores, não só para aqueles nos sindicatos. O plano de Obama manteve a proposta do Senado de elevar o imposto para os laboratórios farmacêuticos, para ajudar a fazer frente aos custos do programa.

Às 14h05 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,13% e o S&P 500 perdia 0,18%; o Nasdaq recuava 0,23%. As ações da Merck operavam em baixa de 1,17%. Os papéis do Bank of America subiram 1,76%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas, Dow Jones, Nasdaq

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.