bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Bolsa de NY estuda reduzir exigência de preço mínimo

A NYSE Euronext, proprietária da Bolsa de Valores de Nova York, afirmou nesta terça-feira estar negociando com órgãos reguladores norte-americanos a diminuição do preço mínimo de 1 dólar exigido para as ações. A mudança diminuiria a pressão sobre as companhias listadas na bolsa, ao mesmo tempo em que ajudaria a conter a sangria de empresas que deixaram o pregão nos últimos meses. Segundo um porta-voz, a bolsa ainda não enviou uma proposta formal para a Securities and Exchange Comission (SEC, equivalente à Comissão de Valores Mobiliários do Brasil). No mês passado, a bolsa diminuiu temporariamente o requerimento de capitalização de mercado, em uma primeira mudança desse tipo já feita pela NYSE. Mas as ações continuaram a cair. O Citigroup, por exemplo, está abaixo de 3 dólares por ação, e a Ford vale menos que 2 dólares por ação. Em entrevista, Richard Ketchum, diretor-executivo do órgão supervisor da NYSE, afirmou que "normalmente, a regra em 1 dólar identifica... as companhias que estão caindo como uma pedra em direção à falência". "Hoje, nós temos um mercado muito diferente, onde muitas companhias têm ações a menos de 1 dólar. Ter uma maior flexibilidade nas decisões sobre a presença das empresas no pregão é melhor para os investidores", declarou Ketchum que, separadamente, foi indicado diretor-executivo da Autoridade Regulatória do Setor Financeiro na terça-feira. A concorrente Nasdaq Stock Market, operada pela Nasdaq OMX, suspendeu a exigência de preço mínimo por motivos semelhantes em outubro, e ampliou a suspensão em dezembro. A medida vale até 20 de abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.