Bolsa de Tóquio cai 0,8% e fecha em baixa pela quinta vez

A Bolsa de Tóquio completou o quinto pregão consecutivo em baixa, com as vendas relacionadas à devolução de recursos por fundos de pensão corporativos para o governo continuando a pressionar negavitamente os papéis japoneses. O índice Nikkei-225 caiu 64,39 pontos (0,8%), para 7.752,10 pontos, fechando no pior nível desde 1 de novembro de 1982. O Topix, índice amplo que acompanha o movimento de todos os papéis da primeira etapa da sessão, terminou o dia em 775,61 pontos, com baixa de 6,64 pontos (0,9%). Após o fechamento da sessão, três grandes grupos lobistas empresariais divulgaram uma proposta para que o governo congele os impostos sobre ganhos de capita e outros tributos para conter a queda do mercado acionário. As sugestões, no entanto, não devem ser aceitas pelo governo. Mesmo no período antes do fechamento de balanços do ano fiscal, que terminou em 31 de março, o governo não adotou nenhuma medida para atenuar as movimentações negativas do mercado acionário. Hong Kong cai com SARS A bolsa de Hong Kong terminou o pregão desta segunda-feira no menor nível em quase quatro meses e meio, pressionada pelas perdas intensas entre as ações da companhia aérea Cathay Pacific. Os papéis da companhia recuaram 6,2%, por conta de temores sobre o impacto da síndrome respiratória aguda severa (SARS, na sigla em inglês) no seu resultado. O índice Hang Seng fechou em baixa de 112,10 pontos (1,30%), para 8.533,55 pontos. A divulgação de seis novas mortes em pacientes com a SARS ampliou as preocupações em relação ao potencial efeito adverso da contínua propagação da doença sobre a economia. A bolsa da Coréia do Sul ganhou 2% na expectativa de que a crise envolvendo a política nuclear da Coréia do Norte possa ser resolvida pacificamente. O mercado foi impulsionado também por programas de compra acionados durante o pregão, centrados especialmente entre blue chips. A agência de notícias da Coréia do Norte citou um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do país informando que o Ministério "não ficará preso a um formato particular de diálogo se os Estados Unidos estiverem dispostos a realizar uma relevante mudança em sua postura em relação a política coreana para o tratamento da questão nuclear". O índice Kospi fechou em alta de 11,43 pontos (1,96%), em 594,40 pontos. Em Taiwan, os negócios foram pressionados na expectativa da divulgação de balanços pelas companhias norte-americanas e preocupações em relação ao contínuo avanço no número de registros de SARS na Ásia. O índice composto da bolsa de Taipei terminou o pregão em baixa de 70,59 pontos (1,56%), em 4.459,81 pontos. As considerações sobre os efeitos adversos da SARS na economia prejudicaram também o pregão em Cingapura. A Merrill Lynch cortou a previsão de crescimento para a economia em 2003 a 1,5%, de 2,4% anteriormente, levando em consideração o impacto da síndrome sobre o desempenho do país. O índice Strait Times caiu 18,15 pontos (1,4%) e fechou em 1.282,87 pontos.Em Jacarta, o índice JSX composto recuou 4,60 pontos (1,05%) e fechou em 433,94 pontos. Na bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, o índice composto fechou em baixa de 5,48 pontos (0,87%) e terminou o dia em 624,21 pontos. Em Manila, nas Filipinas, o índice PSE fechou em 1.133,37 pontos, alta de 11,10 pontos (0,99%). As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.