Bolsa de Tóquio cai 1,2% temendo novos atentados

A volta das preocupações com o terrorismo global, após a explosão de bombas que mataram 192 pessoas em Madri ontem, provocou a venda de ações na bolsa de Tóquio. O índice Nikkei 225 fechou em queda de 1,19%, ou 134,29 pontos, em 1.1162,75 pontos, o terceiro declínio consecutivo e o menor nível em duas semanas. Nos últimos três pregões, o Nikkei recuou 3,2%. As ações de bancos estiveram entre as mais atingidas, também porque os investidores realizaram lucros depois dos ganhos robustos dos papéis na semana. Sumitomo Mitsui Financial Group fechou em baixa de 3,9%, Mizuho Financial Group recuou 3,8% e UFJ Holdings perdeu 3,2%. O diretor da Mitsubishi Securities, Atsushi Tajima, entretanto, chamou a atenção para o fato de que a queda em Tóquio foi relativamente pequena em comparação com a dos mercados de Wall Street e da Europa. Depois de certo momento do pregão, alguns operadores começaram a procurar papéis descontados, especulando que a tendência recente de alta no mercado ainda continua intacta. Terrorismo prejudica seguradoras e cias aéreas Os papéis de seguradoras estiveram entre os mais prejudicados pelo aumento do medo do terrorismo no mercado de Tóquio. Millea Holdings caiu 3,4% e Sompo Japan fechou em baixa de 2,8%. Entre as companhias aéreas, All Nippon Airways perdeu 2,5%, e Japan Airlines caiu 2,3%. Alguns operadores acreditam que o suporte para o Nikkei parece forte em 11 mil pontos, mas o diretor da Mitsubishi Securities, Atsushi Tajima, tem dúvidas. Segundo ele, a perspectiva dos EUA e a reação de Wall Street ao desempenho da economia serão um fator determinante para o mercado acionário de Tóquio. "O mercado teve uma forte valorizaçao recentemente, mas o desempenho fraco desta semana sugere que o cenário para ganhos apoiados nas esperança de recuperação econômica pode não mais se sustentar", disse ele.

Agencia Estado,

12 Março 2004 | 08h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.