Bolsa de Tóquio em +0,4% apesar de dúvidas contábeis sobre Sony

As ações da Bolsa de Tóquio fecharam em alta com um movimento de cobertura de posições no fim da sessão anulando as perdas da tarde relacionados a temores em torno da contabilidade da gigante Sony. O índice Nikkei encerrou com ganho de 45,60 pontos (+0,4%), em 10.296,02 pontos, após queda de 124,73 pontos no pregão de ontem. Mas a Sony, mesmo depois de ter negado qualquer problema contábil, não compartilhou a recuperação e terminou em baixa de 4,1% após atingir uma nova mínima intraday no ano. À tarde, o Nikkei havia perdido mais de 100 pontos com investidores correndo para vender os papéis da Sony depois que um reconhecido especialista em contabilidade dos EUA, citado pelo jornal South China Morning Post (SCMP), de Hong Kong, levantou questões sobre "potenciais problemas" nas práticas contábeis da empresa. Com os recentes escândalos nos EUA envolvendo megacorporações como a Enron e a WorldCom, o assunto provocou nervosismo entre os players do mercado no Japão. Um porta-voz da Sony descartou especulações de que a empresa pode enfrentar questionamentos sobre sua contabilidade e ressaltou que os balanços e resultados financeiros da companhia estão em total concordância com o GAAP (normas contábeis dos EUA). Os efeitos da notícia publicada no SCMP sobre as ações em Tóquio foram razoavelmente limitados. "Como ninguém sabe se a informação é verdadeira, a Sony não continuou em queda brusca", disse o gerente-geral de uma corretora japonesa. As ações da empresa até conseguiram uma pequena recuperação por causa de cobertura de posições, ele observou. Muitos traders previram que a contabilidade corporativa não deve se tornar um assunto tão quente em Tóquio quanto em Nova York. Do lado dos investidores, muitos também admitem que os padrões contábeis no Japão estão longes de serem perfeitos, o que deixa menos espaço para surpresa e revolta no país asiático. Entre os papéis mais negociados do dia, Itochu -0,80%, Hitachi +2,21%, Suzutan Co +10,71%, Kawasaki Steel -1,20% e Nip Steel -2,05%. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.