Bolsa de Tóquio fecha em -0,9%

A Bolsa de Tóquio completou três dias em baixa, com os investidores vendendo papéis da Advantest, Kyocera e de outras companhias de tecnologia após o fechamento em baixa de Wall Street ontem. Ao mesmo tempo, o apetite de compras foi limitado pelo calendário pesado de indicadores que sairão nos EUA, com destaque para o CPI de maio. O Nikkei-225 caiu 103,96 pontos (0,9%), para 11.38,70 pontos. O Topix, índice amplo que reflete os movimentos de todos os ativos da primeira sessão, cedeu 7,24 pontos (0,6%), para 1.151,30 pontos. O humor em Tóquio continuou abalado ainda pela preocupação de que o aumento dos estoques de semicondutores e a possível redução da demanda por produtos eletrônicos afetem os lucros das fabricantes de chips e equipamentos. Essa preocupação derrubou os papéis da Advantest e Kyocera em 3% e 1,1%, respectivamente. A Tokyo Electron perdeu 1,2%. A recuperação das ações sul-coreanas após cinco dias em baixa ajudou alguns papéis de alta tecnologia em Tóquio, como os da Sharp, que reverteram as perdas e fecharam com valorização de 0,4%.Os bancos terminaram a sessão no território negativo, com a apreensão de que o aumento dos juros dos títulos japoneses de longo prazo pressione os lucros dessas instituições. O Sumitomo Mitsubishi Financial cedeu 1,4% e o Mitsubishi Tokyo Financial, 1,5%. As ações das montadoras seguiram em direção oposta e fecharam em alta, reagindo a dados de vendas e encomendas dos EUA. A Toyota atingiu 4.250 ienes - nova máxima no ano, mas fechou em 4.230 ienes, com ganho de 1,4%, repercutindo a popularidade dos seus carros híbridos nos EUA. A Honda avançou 0,4%, após suas vendas em solo norte-americano terem crescido 20% em maio, ante o mesmo mês de 2003, graças à boa demanda pelo "Accord" e o "Civic". A Mitsubishi não se beneficiou dos dados e caiu 3,1%. O declínio dos preços do petróleo gerou vendas de ativos das petrolíferas. A Nippon Oil perdeu 1,9% e a Showa Shell Sekiyu, 1,4%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.