Bolsa de Tóquio fecha em alta com notícia sobre FMI

A possível ajuda do FMI à Itália, uma refreada no iene e o bom desempenho das exportadoras Toyota Motor e Honda Motor ajudaram o mercado a consolidar ganhos

ANTONIO ROGÉRIO CAZZALI, Agencia Estado

28 de novembro de 2011 | 07h27

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em alta nesta segunda-feira com a esperança de uma ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI) à Itália bem como com uma refreada no iene, mas consolidou seus ganhos mesmo depois de a reportagem sobre a ajuda do FMI aos italianos ter sido desmentida. Pesou a favor o desempenho acentuadamente acima do mercado das exportadoras Toyota Motor e Honda Motor.

O índice Nikkei subiu 1,6%, em 8.287,49 pontos, após queda de 0,1% na sexta-feira. Este foi o maior ganho porcentual para o índice de referência desde 4 de novembro, e quebrou uma sequência de cinco dias de quedas. O volume negociado continuou anêmico.

Leia Também

O índice Nikkei saltou na abertura após a reportagem do jornal italiano "La Stampa", que dizia que o FMI poderia oferecer à Itália uma ajuda financeira entre ? 400 bilhões e ? 600 bilhões para dar ao premiê italiano Mario Monti uma janela de 12 a 18 meses a fim de implementar reformas que restaurariam a confiança dos mercados na capacidade de o país pagar suas dívidas. "Além disso, o bom volume de vendas obtido com a ''Black Friday'' nos EUA ajudou a elevar o índice inicial", disse Hideyuki Ishiguro, supervisor de estratégia de investimento da Okasan Securities.

Os grandes exportadores se beneficiaram do iene mais fraco, a exemplo dos papéis da Toyota que subiram 2,9% e da Honda, que avançaram 4,1%. As ações da Toyota também foram ajudadas por um relatório Nikkei que discute uma maior parceria em veículos ecológicos com a BMW AG da Alemanha. As ações da Fanuc, que produz robôs industriais e tem dentre seus clientes importantes montadoras, ganharam 2,7%. As informações são da Dow Jones.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
bolsaTóquiofechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.