Bolsa de Tóquio fecha em alta de 0,2%

Com a contínua preocupação sobre o aperto monetário nos EUA, a China manteve os investidores na defensiva na Bolsa de Tóquio, que fechou em alta marginal, sustentada, principalmente, por papéis de companhias exportadoras. O Nikkei-225 subiu 24,53 pontos (0,2%), fechando em 10.849,63 pontos. O Topix, índice amplo que retrata o movimento de todos os ativos negociados na primeira etapa da sessão, fechou em 1.091,51 pontos, com baixa de 4,42 pontos (0,4%). As ações subiram com moderação pela manhã, após a liqüidação sem turbulências das opções de maio. O vencimento das opções parece ter resultado em uma venda líqüida marginal de ações no mercado à vista, mas o impacto no mercado amplo não foi tão forte quanto o esperado pelos operadores. Mas as ações perderam força com os investidores começando a realizar vendas de hedge diante da aproximação do fim de semana. Os investidores individuais também agiram de maneira ativa, desmontando posições compradas que atingiram níveis historicamente altos. No entanto, os papéis de exportadoras atraíram compras após o dólar se sustentar acima de 114 ienes.A Honda subiu 1,5%, enquanto a Sony ganhou 0,5%. O mercado não reagiu à notícia de que o primeiro-ministro Junichiro Koizumi visitará a Coréia do Norte, até 22 de maio. Embora a melhora nas relações diplomáticas entre os dois países possa ajudar na diminuição das tensões geopolíticas da Ásia, o mercado se mostrou inseguro sobre como reagir à notícia. Com o mercado amplo travado, os investidores seguiram reagindo a ações de empresas que divulgaram balanços. A Rohm, fabricante de circuitos integrados; a CSK, que desenvolve sistemas de informações, e a farmacêutica Sankyo fecharam em alta, após apresentarem números robustos para o ano fiscal que terminou em 30 de março.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.