Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bolsa de Tóquio tem máxima em 9 meses por fraqueza do iene

A queda do iene ajudou a bolsa de valores do Japão a atingir o maior nível desde maio nesta quarta-feira, enquanto as ações de outras praças asiáticas tiveram estabilidade.

IAN CHUA E AYAI TOMISAWA, REUTERS

16 de fevereiro de 2011 | 08h19

Em TÓQUIO, o índice Nikkei ampliou os ganhos e atingiu a máxima em nove meses após a fraqueza do iene dar força às ações de companhias exportadoras. O índice fechou em alta de 0,57 por cento, aos 10.808 pontos. O iene desvalorizado torna as exportações japonesas mais baratas e impulsiona o lucro das empresas.

O índice MSCI da região Ásia-Pacífico exceto o Japão tinha alta de 0,57 por cento.

Em HONG KONG, o mercado avançou 0,6 por cento, recuperando-se da queda de 1 por cento do último pregão, com os investidores caçando barganhas entre gigantes financeiras.

O índice de SEUL perdeu 1,06 por cento. A bolsa de XANGAI, que avança nesta semana por esperanças de uma inflação menor na China, subiu 0,85 por cento.

Na Austrália, a BHP Billiton, maior mineradora do mundo, disse que planeja investir 80 bilhões de dólares em expansão nos próximos cinco anos e devolver dinheiro aos investidores ao invés de buscar aquisições ambiciosas, após quase dobrar seu lucro.

Depois de subir 9 por cento, para a máxima em 33 meses nas últimas semanas, a ação da BHP caiu 1,6 por cento. No entanto, o índice de SYDNEY fechou estável, com ações de bancos pressionando o mercado.

(Reportagem adicional de Hideyuki Sano em Tóquio e Masayuki Kitano e Saeed Hasan em Cingapura)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.