Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Bolsa dispara com possibilidade de pacote de ajuda ao crédito

Às 12h50, o Ibovespa sobe 6,13%. Em NY, o Dow Jones sobe 2,98%. A Nasdaq apresenta valorização de 2,71%

Da Redação,

08 de dezembro de 2008 | 12h56

A possibilidade de mais medidas para reativar a economia brasileira e a boa influência do mercado externo nesta Segunda-feira levaram a Bolsa de Valores de São Paulo a uma alta de mais de 6% nesta segunda-feira, dia 8. Às 12h50, o Ibovespa sobe 6,13%. Em Nova York, o índice Dow Jones sobe 2,98%. A Nasdaq apresenta valorização de 2,71%.   Veja também: BC decide juros em meio a dilema entre inflação e recessão Desemprego, a terceira fase da crise financeira global Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está reunido neste momento com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles; o ministro da Economia, Guido Mantega, além de representantes do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O objetivo da reunião é discutir medidas para destravar o crédito.   No exterior, os investidores amanheceram um pouco mais confiantes no futuro após o presidente eleito dos Estados Unidos Barack Obama ter sinalizado uma ajuda emergencial ao setor automotivo e anunciado um plano de estímulo à economia, que prevê investimento histórico em infra-estrutura e com o objetivo de salvar ou criar 2,5 milhões de empregos.   As bolsas asiáticas também fecharam com forte alta, impulsionadas pelo bom desempenho de Wall Street na sexta-feira e os anúncios feitos sábado por Obama e por pacotes econômicos na Índia. Para analistas, também houve influência dos fundos mútuos, que tipicamente compram ações perto do fim do ano para melhoria da carteira. A Bolsa de Hong Kong disparou 8,7% e o índice Xangai Composto avançou 3,6%. Esse otimismo se estende á Europa, onde a bolsa de Londres subia 4,62%, a de Paris +6,23% e a de Frankfurt +5,78%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.