Bolsa do Egito despenca 6,1% em meio ao aumento da tensão política

O custo do seguro da dívida do Egito contra default atingiu o maior nível em cerca de 18 meses

Danielle Chaves, da Agência Estado,

26 de janeiro de 2011 | 11h53

A Bolsa de Valores do Egito encerrou a sessão desta quarta-feira, 26, com queda de 6,1%, aos 6.310,44 pontos, em consequência do aumento das tensões políticas no país depois que milhares de pessoas tomaram as ruas no maior protesto contra o governo na história recente ontem - quando a bolsa esteve fechada em razão de um feriado local. O custo do seguro da dívida do Egito contra default atingiu o maior nível em cerca de 18 meses.

O spread (prêmio) dos swaps de default de crédito (CDS) dos bônus de cinco anos do Egito aumentou 21 pontos-base sobre o valor de ontem, para 355 pontos-base. Antes do começo da crise na vizinha Tunísia, o spread da dívida do país estava em 240 pontos-base. A libra egípcia também foi prejudicada e, no fim da tarde local, o dólar subia para 5,8330 libras egípcias, de 5,8185 libras ontem.

O índice EGX 30 da Bolsa do Egito já acumula 12% de queda apenas neste mês, desde que o presidente da Tunísia, Ben Ali, fugiu do país após protestos e confrontos violentos. Os problemas na Tunísia espalharam preocupações com uma disseminação da crise para outros países do Oriente Médio e do norte da África.

Os protestos de ontem pareceram ser as maiores em muitas décadas no Egito, um país onde a oposição há muito tempo tem sido mantida sob controle e onde as manifestações raramente reúnem mais do que poucas pessoas. De acordo com alguns cálculos iniciais, cerca de 50 mil manifestantes ocuparam as ruas do Cairo, Alexandria, Suez e outras cidades. Ao menos duas pessoas e um policial foram mortos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitobolsaaçãomercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.