Bolsa do Rio negocia títulos públicos

A Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (BVRJ) marcou para o dia 18 de agosto o início da negociação com títulos públicos, que já obteve a adesão de 16 instituições financeiras. As operações com títulos públicos federais movimentam R$ 80 bilhões por dia e a expectativa é de que metade desse valor migre para a bolsa do Rio até o final do ano. O presidente da BVRJ, Carlos Reis, explicou que inicialmente serão realizadas apenas operações à vista com Letras do Tesouro Nacional (LTN), papéis com maior volume de negócios no mercado financeiro. A partir de setembro, a bolsa pretende incorporar os papéis pós-fixados, inclusive os que tem rentabilidade atrelada a variação cambial. Para acompanhar o funcionamento do Sistema Eletrônico de Títulos Públicos (Sisbex) foi criada uma comissão operacional formada por representes do Bradesco, Itaú, Safra, BBA, Pactual, CSFB Garantia, Banco do Brasil e Bank of America. Uma das vantagens apontadas pelos executivos para a criação de um mercado eletrônico de títulos públicos é a redução do custo da dívida brasileira. José Berenger, do BBA, lembra que nos Estados Unidos cerca de 85% dos negócios com títulos públicos são feitos no mercado eletrônico. Segundo ele, a migração para a bolsa do Rio também vai ajudar o governo a alongar o prazo da dívida pública. A BVRJ divulgará diariamente um boletim com a taxa e o volume dos títulos negociados no pregão do Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.