Bolsa encerra março em alta, apesar da crise e do terrorismo

A crise política no governo Lula e os ataques terroristas em Madri não impediram a bolsa paulista de encerrar o mês de março em alta de 1,78%. O acumulado do ano, porém, é negativo em 0,42%. Neste último dia do mês, o Ibovespa terminou o pregão em alta de 0,45%, com volume financeiro de R$ 1,345 bilhão, beneficiado pela leve recuperação das bolsa de Nova York - +0,23%. O desdobramento do caso Waldomiro, com a divulgação de nova fita envolvendo o subprocurador da República José Santoro, foi considerada uma vitória do governo pelos operadores e não influenciou os negócios. Já o mercado de juros encerra o mês de março apostando que a Selic cai no mínimo 0,25 ponto percentual agora em abril e não será surpresa se a redução for de 0,5 ponto. Os contratos para abril fecharam em 15%. Os DI de janeiro ficaram em 15,17%, contra 15,18% de ontem.

Agencia Estado,

31 Março 2004 | 18h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.