Bolsa européias fecham em leve alta com poucos negócios

Fortalecimento do dólar e fraqueza em Wall Street limitam ganhos do dia no mercado europeu

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

29 de dezembro de 2009 | 15h51

As principais bolsas europeias fecharam em leve alta nesta terça-feira, mas que foi suficiente para renovar as máximas em 14 meses em meio a um fraco volume negociado, uma vez que muitos participantes continuam de férias nesta semana. No final da sessão, as bolsas sofreram alguma pressão da fraqueza em Wall Street e do fortalecimento do dólar.

 

Em Londres, depois de um intervalo de quatro dias em virtude do final de semana prolongado do Natal, o índice FT-100 subiu 35,20 pontos (0,65%) e fechou com 5.437,61 pontos, depois de atingir nova máxima do ano com 5.445,17 pontos.

 

Em Paris, o índice CAC-40 avançou 12,83 pontos (0,33%) e fechou com 3.959,98 pontos - melhor nível em 14 meses. Em Frankfurt, o índice Dax-30 subiu 8,63 pontos (0,14%) e fechou com 6.011,55 pontos - se sustentando acima dos 6 mil pontos pelo segundo dia seguido.

 

A alta dos preços do metais deu suporte as ações das mineradoras: BHP Billiton +2,16%, Antofagasta +3,96%, Anglo American +1,26%. As ações da Xstrata avançaram 2,44% depois da companhia ter alcançado um acordo para abastecer a Tokyo Electric Power com carvão térmico australiano por US$ 85 por tonelada, um preço acima da faixa entre US$ 70 e US$ 72 por tonelada a partir de abril deste ano.

 

O cobre também esteve no foco das preocupações dos investidores por causa de uma potencial greve no Chile, que pode afetar 5,5% da oferta mundial.

 

Algumas ações do setor bancário caíram hoje, entre elas, HSBC Holdings -0,72% e Barclays Bank -0,36%. Em Frankfurt, as ações do Commerzbank e do Deutsche Bank caíram 0,3% e 0,4%, respectivamente, com os traders apontando para os comentários do Federal Reserve. Na segunda-feira, o banco central norte-americano apresentou um plano para uma linha de depósito à prazo que tem por objetivo retirar liquidez do mercado.

 

Em Londres, os dados preliminares sugerem fortes vendas no Reino Unido no sábado depois do Natal, embora isso possa refletir, em parte, a antecipação das compras por causa da entrada em vigor de um aumento no imposto sobre valor agregado (VAT, na sigla em inglês) de 15% para 17,5% a partir do início de 2010. De acordo com a Synovate, as compras nas lojas não alimentícias no Reino Unido cresceram 4,9% no dia 26, sobre uma base comparada.

 

Em Milão, o índice FTSE/MIB subiu 73,68 pontos (0,32%) e fechou com 23.376,24 pontos; em Madri, o índice Ibex-35 avançou 11,90 pontos (0,10%) e fechou com 12.035,10 pontos; em Lisboa, o índice PSI-20 subiu 52,89 pontos (0,63%) e fechou com 8.479,32 pontos. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.