Bolsa: falta de proteção prejudica inevstimentos

O vice-presidente sênior do Tiaa Cref, o maior fundo de pensão do mundo, Peter Clapman, disse que a falta de proteção adequada aos acionistas minoritários tem sido um obstáculo real para o aumento dos investimentos estrangeiros na bolsa brasileira. Clapman, também é diretor da Investor Responsability Task Force - uma associação de fundos de pensão que juntos administram mais de US$ 3 trilhões no mercado. Ele declarou que apóia o projeto de reforma na Lei das S.A.s em tramitação no Congresso, mas ressalvou que um problema muito importante não foi contemplado: o direito de voto para cada acionista individual. "Entendemos que cada ação deve ter direito a um voto", disse o executivo, citando os países onde todas as ações dão direito a voto: Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Austrália. Clapman afirmou também que a economia brasileira vai muito bem, mas ressaltou que se trata de um "paradoxo" estarem entrando vultosos investimentos diretos no Brasil e escassos investimentos para a bolsa de valores. Para ele, isso se deve à baixa proteção aos minoritários no mercado doméstico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.