Bolsa fecha em alta de 0,26% e juros futuros recuam mais

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em ligeira alta de 0,26%, em novo recorde de 19.248 pontos. O volume financeiro somou R$ 951 milhões. À expectativa de melhor desempenho das elétricas por causa da queda da Selic, a taxa básica de juros da economia, somou-se hoje a informação que as geradoras de energia estão negociando com o BNDES novos prazos para pagar um financiamento de cerca de R$ 1,8 bilhão. De acordo com o jornalista Eugênio Melloni, os recursos fazem parte do pacote de socorro ao setor elétrico, no total de R$ 7,5 bilhões do Tesouro Nacional, concedido pelo governo federal para compensar o impacto provocado pelo racionamento de energia em 2001/2002. A maior alta do Ibovespa ? índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa ? doi apurado pelas ações preferencias (PN, sem direito a voto) da Cesp, que disparou 20%.No mercado de juros futuros, as taxas de juro caíram mais um pouco nesta sexta-feira. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), os contratos com taxas pós-fixadas e vencimento em julho fecharam com taxa de 16,31% ao ano, ante 16,38% ao ano de ontem. Já o contrato com vencimento em janeiro fechou com juros de 17,02% ao ano, frente a 17,03% ao ano ontem.O dólar comercial encerrou o dia no patamar de R$ 2,9230, em queda de 0,68% em relação às últimas operações de ontem. A moeda norte-americana iniciou o dia no patamar de R$ 2,9300 e oscilou da máxima de R$ 2,9400 à mínima de R$ 2,9190. Com o resultado de hoje, o dólar registra alta de 1,99% em novembro e queda de 17,43% no ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.