Bolsa fecha em alta de 1,67% e juros futuros recuam

A extensão do acordo do Brasil com o Fundo Monetário Internacional (FMI) por um ano foi imediatamente premiada hoje. A agência de classificação de risco Fitch elevou o rating soberano (nota) do Brasil de B para B+. O mercado financeiro comemorou a notícia de forma moderada, já que esta era uma decisão esperada. O Ibovespa ? Índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) ? fechou em alta de 1,67% e o giro financeiro somou R$ 956 milhões.No mercado de juros futuros, as taxas recuaram. Os contratos negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) com vencimento em julho encerraram o dia com taxa de 17,50% ao ano, frente a 17,58% ao ano negociados ontem. O contrato com vencimento em janeiro pagou juros de 18,05% ao ano, frente a 18,15% ao ano registrados ontem.O dólar comercial encerrou o dia cotado a R$ 2,8770 na ponta de venda dos negócios, em alta de 0,52% em relação aos últimos negócios de ontem. Na abertura do dia, a moeda norte-americana foi negociada a R$ 2,8700 e oscilou da máxima de R$ 2,8810 à mínima de R$ 2,8660. Com este desempenho, o dólar registra alta de 0,38% em novembro e acumula queda de 18,73% no ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.