Bolsa fecha em alta e juros futuros recuam mais

"Cidade Fantasma". Assim o site CNNMoney classificou Wall Street nesta sexta-feira pós-blecaute. Os negócios foram reduzidos à metade pela falha nos sistemas de corretoras, pela ainda inoperância dos telefones celulares e pela própria impossibilidade de locomoção dos operadores - as linhas de metrô ainda não estavam operando. No mercado acionário norte-americano, o índice Dow Jones ? que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York ? teve oscilação discreta e fechou em ligeira alta de 0,12%. A Nasdaq ? bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e Internet ? ganhou 0,10%.No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 0,56%, com bom volume financeiro de R$ 677 milhões - "bom" por ser uma sexta-feira e por causa do baixo volume de negócios em Nova York. No mercado cambial, o dólar comercial operou em queda durante todo o dia todo. No encerramento, foi negociado a R$ 2,9920 na ponta de venda das operações, em baixa de 0,60% em relação às últimas operações de ontem.As taxas no mercado de juros futuros recuaram mais um pouco nesta sexta-feira. Os contratos com juros pós-fixados (DI) e vencimento em janeiro de 2004, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagavam taxa de 21,350% ao ano, frente a 21,430% ao ano ontem. Os investidores mantêm a expectativa de redução da Selic, a taxa básica de juros da economia. O Comitê de Política Monetária (Copom) reúne-se na próxima semana e a maioria dos analistas acredita em uma redução de 1,5 ponto porcentual. Com isso, a Selic passaria de 24,5% para 23% ao ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.