Renato Cerqueira/Futura Press
Renato Cerqueira/Futura Press

Sinal de piora em relação EUA-China amplia estresse e derruba Ibovespa aos 99 mil pontos

O dólar, por sua vez, teve queda de 0,31%, fechando em R$ 4,0916

O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2019 | 17h52

A piora externa acabou prevalecendo sobre o Ibovespa, que perdeu o nível de 100 mil pontos na reta final dos negócios, alinhada à baixa firme dos índices em Nova York depois de um novo capítulo de tensões entre Estados Unidos e China. Mas antes de sucumbirem, as bolsas chegaram, inclusive, a experimentar alguma melhora, em reação a um discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell.

Ele disse ter "chegado a hora" de a instituição começar a aumentar o seu balanço de ativos para manter "um nível apropriado" de suprimento de reservas ao sistema bancário e também afirmou que o Fed continuará agindo para dar apoio ao crescimento. Houve uma leitura positiva de tais declarações, mas enquanto Powell ainda falava, o secretário de Estado norte-americano, Michael Pompeo, anunciou a restrição de vistos a autoridades do governo chinês e seus familiares por instituir uma "campanha altamente repressiva" contra minorias muçulmanas no território autônomo de Xinjiang.

Às vésperas do encontro entre americanos e chineses para negociações comerciais, a notícia trouxe estresse imediato para os ativos, fazendo as bolsas norte-americanas voltarem a cair mais de 1% e, no caso do mercado doméstico, o Ibovespa acompanhou e o futuro chegou, inclusive, a entrar em leilão.

Com a proximidade do vencimento do índice, no dia 16, operadores disseram que alguma posição mais sensível pode ter disparado ordens de venda que o derrubaram rapidamente. No fim, o índice à vista terminou com queda de 0,59%, aos 99.981,40 pontos.

Câmbio

O real, no entanto, acabou se descolando de seus pares emergentes, após ter registrado desvalorização forte no pregão de segunda-feira. A perspectiva de fluxo de entrada para ofertas de ações que se desenrolam neste mês acabou favorecendo a correção e ainda que o movimento tenha perdido fôlego com a piora externa, o dólar terminou com baixa de 0,31% ante a moeda brasileira, a R$ 4,0916.

Com a divisa norte-americana em queda e a expectativa para um IPCA baixo na quarta-feira, 9, podendo até ser negativo, os juros futuros também caíram. Esse comportamento ainda teve o suporte da perspectiva de afrouxamento monetário nos EUA e até do aumento das tensões entre EUA e China, visto que isso acaba enfraquecendo ainda mais a economia global e tem efeito desinflacionário.

Com tudo isso, a notícia de que um texto sobre a cessão onerosa poderá ficar pronto ainda hoje acabou em segundo plano, ainda que possa aliviar os temores dos agentes sobre novos atrasos na Previdência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.