finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsa fecha em queda influenciada pelo mercado internacional

O mercado de ações no Brasil foi fortemente influenciado pelo mercado internacional. Reunidos em Dubai, os ministros das Finanças do G-7 divulgaram um comunicado defendendo "mais flexibilidade nas taxas de câmbio, com base em mecanismos de mercado". Isso foi interpretado como sinal de que os países mais industrializados são favoráveis a um dólar mais fraco, o que teria impacto negativo na confiança dos investidores e em sua disposição de colocar ?seu dinheiro para trabalhar nos mercados norte-americanos de ações e de bônus", comentou David Gilmore, sócio da Foreign Exchange Analytics. Para ele, esse sentimento poderá se alastrar para os investidores norte-americanos, caso eles concluam que os investimentos estrangeiros nos EUA poderão escassear.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em baixa de 2,17% e o volume somou R$ 1,580 bilhão. Deste total, R$ 775,288 milhões foram resultado de um leilão de conversão de papéis do Unibanco. Em Nova York, o índice Dow Jones ? que mede o comportamento das ações mais negociadas na Bolsa norte-americana ? fechou em baixa de 1,13% e a Nasdaq ? bolsa que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet ? encerrou o dia em queda de 1,63%.No mercado de juros, as taxas continuam em queda. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), os contratos com vencimento em janeiro de 2004 encerraram o dia no patamar de 18,650% ao ano, frente a 18,680% ao ano registrados na sexta-feira. O dólar comercial encerrou o dia estável em relação aos últimos negócios de sexta-feira, cotado a R$ 2,9030 na ponta de venda das operações.

Agencia Estado,

22 de setembro de 2003 | 18h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.