Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsa fecha em queda, puxada por Petrobrás, e recua 6,2% na semana

Ibovespa fechou a sexta-feira com perdas de 2,4%, abaixo dos 57 mil pontos; ações da Petrobrás caíram cerca de 5%

Economia & Negócios e Reuters

12 de setembro de 2014 | 17h15

A Bovespa fechou em forte queda nesta sexta-feira, abaixo dos 57 mil pontos pela primeira vez desde agosto. Após abrir em leve queda, o Ibovespa acentuou as perdas ao longo do dia e fechou com recuo de 2,42%, aos 56.927 pontos. O movimento foi influenciado pela desvalorização dos papéis da Petrobrás, que recuaram cerca de 5%. Na semana, o Ibovespa acumulou queda ainda mais acentuada: 6,18%. 

As perdas do dia são reflexo de ajustes de posições a um cenário mais disputado na corrida eleitoral, corroborado por nova pesquisa sobre intenções de votos. A queda nos índices acionários e alta no rendimento dos Treasuries em Wall Street, em meio a expectativas de um tom mais rigoroso do Banco Central norte-americano sobre juros na próxima semana, e o receio com novas sanções à Rússia também corroboraram o viés negativo da Bovespa. 

No mercado de câmbio, o dólar fechou a sexta-feira em alta de 2%, cotado a R$ 2,33, no maior valor desde 19 de março deste ano. Com esse resultado diário, a moeda passou a acumular forte valorização na semana: 4,2%.

Durante a manhã, o mercado conheceu a mais recente sondagem CNI/Ibope, que mostrou o fim do empate técnico no primeiro turno, com Dilma à frente, oscilando de 37% para 39%. Marina tem 31% e Aécio, 15%. Para o segundo turno, a vantagem de Marina Silva sobre Dilma caiu, de 7 pontos para apenas 1. Agora a candidata do PSB tem 43% e a petista, 42%.

O levantamento também apontou que a aprovação da população da política do governo sobre taxa de juros oscilou de 21% para 23%; a aprovação da forma como o governo combate a inflação cresceu quatro pontos porcentuais, no limite da margem de erro, e atingiu 25% nesta pesquisa. Já 68% dos entrevistados desaprovaram essa política, ante 71% na sondagem de junho.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAFECHAPRELIM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.