Bolsa: FGTS será usado por meio de fundos e clubes

Os trabalhadores que quiserem usar recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para a compra de ações só poderão fazê-lo por meio de fundos ou clubes de investimento. O superintendente-geral da Bolsa de Valores de são Paulo (Bovespa), Gilberto Mifano, explicou que essa exigência é necessária porque a quantia a ser aplicada por cada trabalhador é muito pequena. "Fica caro para o trabalhador comprar ações diretamente na Bolsa."O FGTS poderá ser usado para comprar ações ordinárias de empresas listadas no Novo Mercado, a seção com o mais alto grau de governança corporativa da Bolsa, ou para comprar papéis preferenciais resgatáveis de companhias do Nível 2. Nesse último caso, as empresas terão de garantir remuneração mínima ao trabalhador de TR mais 3% ao ano. As regras estão no projeto de lei apresentado pelo senador Antônio Carlos Magalhães Júnior (PFL-BA) ao Congresso.Segundo Mifano, se todos os trabalhadores aceitassem aplicar 1% do fluxo do FGTS em ações, o mercado receberia cerca de R$ 2,5 bilhões ao ano. "Não é isso que vai resolver o problema da Bolsa, mas a iniciativa tem um caráter até educativo."Para ele, o fato de o PT apoiar as discussões sobre a proposta deve contribuir para que o projeto seja aprovado com mais facilidade no Congresso. Mifano participou ontem da comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.