Bolsa opera em alta; ações da CSN são destaque

Após a alta de 1,08% na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) na terça-feira, a Bolsa abriu em queda nesta quarta. Já se esperava pela baixa dos papéis no início dos negócios, um resultado do movimento de realização dos lucros - venda de ações para apurar o ganho obtido no dia anterior. Além disso, há a expectativa pela decisão do banco central norte-americano (Fed) sobre os juros no país. Contudo, pouco depois das 11h30, a tendência reverteu e a Bolsa operava em leve alta. Até o dia ontem, o Ibovespa acumulava perda de 0,97% em janeiro.Mas o desempenho da Bovespa ao longo desta quarta-feira forte será temperado pela divulgação de indicadores econômicos importantes nos EUA. Às 11h30, sai a primeira estimativa do PIB dos EUA no quarto trimestre de 2006 e o custo da mão-de-obra no período. Antes um pouquinho, às 11h15, sai o levantamento da Advanced Data Processing/Macroeconomic Advisors, que pode gerar oscilações.Mais tarde, às 13h, a Associação dos Gerentes de Compras de Chicago divulga o índice de atividade industrial regional de janeiro. Também nesse mesmo horário sai o indicador de gastos (investimentos) no setor de construção em dezembro. São dados recebidos com atenção pelos analistas, pois sinalizam as condições da economia norte-americana e, por conseqüência, dos juros no país.O destaque no início do pregão na Bolsa é a alta de 5,45% das ações ordinárias (ON, com direito a voto) da CSN, após a siderúrgica brasileira ter perdido ontem a disputa pela Corus para a indiana Tata Steel. Em quinze minutos de pregão, as ações da CSN eram as mais negociadas, superando com folga as blue chips Petrobras e Vale.VendaA CSN terá o direito de vender 34.072.613 ações do capital social da Corus pelo preço final revisado oferecido pela Tata Steel. Em fato relevante divulgado nesta quarta ao mercado, a companhia brasileira diz ainda que sua subsidiária CSN Acquisitions terá o direito de receber da Corus "remuneração de incentivo" correspondente a 1% do preço final revisado proposto pela própria CSN Acquisitions para a aquisição da Corus. Esse ponto estava previsto no Contrato de Implementação celebrado entre a CSN Acquisitions e a Corus em 10 de dezembro de 2006. com Aline Cury ZampieriMatéria alterada às 12h15 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.