Bolsa opera em alta durante todo o dia

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta durante todo o dia. Às 15h42, o Ibovespa ? índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa ? registra alta de 1,84%. Apesar do resultado positivo hoje, a Bolsa, nesse patamar de 21.380 pontos, acumula queda de 1,72% em março. No ano, a baixa é de 3,85%. Segundo analistas, o movimento de alta na Bolsa hoje é reflexo de um cenário mais positivo. No exterior, os investidores foram surpreendidos pelo crescimento acima do esperado da confiança do consumidor nos EUA no final de março. As expectativas para esse dado eram conservadoras, porque os analistas achavam que a confiança dos norte-americanos seria contaminada pelos atentados terroristas em Madri. A outra boa notícia internacional veio do Japão, onde a economia começa a reagir forte, após quase dez anos de estagnação. O gasto do consumidor assalariado cresceu 6,9% em fevereiro sobre mesmo mês do ano passado e 2,5% ante janeiro. Na esfera doméstica, a crise política, que ajudou a empurrar na quarta-feira Ibovespa para abaixo dos 21 mil pontos, dá sinais de arrefecimento. O encaminhamento que o governo vem dando à crise começa a surtir efeito. Pelo menos, o "fogo-amigo" cessou e os aliados estão pensando duas vezes antes de dar declarações para evitar novas polêmicas. Ainda no cenário interno, a sinalização dada pela ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada ontem de que a queda de juro vai continuar está deixando o mercado mais aliviado. Como a ata diz que o risco de estourar a meta de inflação diminuiu, há mais espaço para o Banco Central reduzir a taxa básica de juros, a Selic. Juros mais baixos levam os investidores a buscar melhores rendimentos no mercado acionário, aceitando um risco maior. Expectativa Sem falar que mais tarde, às 16 horas, sai a pesquisa trimestral da Confederação Nacional da Indústria (CNI) sobre a avaliação do Governo Lula. A pesquisa, que estava prevista para sair na semana que vem, foi antecipada. A expectativa dos analistas é de que a pesquisa mostre queda expressiva na popularidade do presidente Lula e do governo em geral. No entanto, especialistas dizem que a Bolsa já teria refletido esse resultado em sua forte queda no início da semana.

Agencia Estado,

26 Março 2004 | 15h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.