Bolsa opera em forte alta e dólar recua

Atentos ao cenário argentino e com a expectativa de que os juros norte-americanos tenham mais uma redução, os mercados no Brasil mantêm o equilíbrio e demonstram uma certa mudança de humor dos investidores. Os analistas ainda não acreditam em uma reversão de tendência, mas, de qualquer forma, é o primeiro passo neste sentido.O anúncio do pacote econômico argentino na quinta-feira à noite foi recebido com frieza. Os analistas consideram que as notícias negativas em relação ao país vizinho já estão embutidas no preço dos ativos. Em um momento mais crítico na Argentina, ou seja, em uma situação de default - leia-se calote -, os mercados brasileiros poderão apresentar uma reação mais forte, mas devem voltar ao equilíbrio rapidamente, segundo analistas. O mercado ainda aguarda mais informações sobre o principal item do pacote econômica: a troca de dívida. Além disso, espera um posicionamento dos credores sobre a proposta de swap (troca). O mercado entende que essa reestruturação de dívida é "forçada" e não "voluntária" como tem enfatizado o governo argentino, que oferece rendimento de 7% para os credores, praticamente metade da remuneração normal, que varia de 11% a 18% ao ano. Em troca, oferece como garantia a arrecadação fiscal.Para que as medidas econômicas anunciadas tenham sustentação, é fundamental que o governo chegue a um acordo com as províncias. À meia-noite de hoje vence o prazo dado pelos governadores para que o presidente Fernando De la Rúa apresente uma proposta sobre o repasse de verbas federais. Sem esse acordo político, será muito difícil o governo conseguir apoio dos organismos internacionais e restaurar um pouco da confiança do mercado. A confiança dos investidores argentinos na eficácia das medidas econômicas é outra variável importante nesse momento. Essa confiança é medida pela evolução dos depósitos bancários, um dado a mais que o mercado está monitorando atentamente. Na quarta-feira passada haviam saído dos bancos US$ 686 milhões.Veja os números do mercado financeiroO dólar comercial para venda está cotado a R$ 2,5940, com queda de 3,03% em relação aos últimos negócios de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 21,900% ao ano, frente a 23,170% ao ano na sexta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com alta de 4,09%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires está em alta de 2,62%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - opera com alta de 0,97%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - registra alta de 2,17%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.