Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Bolsa oscila após sinalização dos EUA para ajudar montadoras

Casa Branca diz que pode usar pacote de ajuda para salvar o setor e investidores aliviam venda de ações

Sueli Campo, da Agência Estado,

12 de dezembro de 2008 | 14h30

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) teve nesta sexta-feira, 12, mais um motivo para continuar o processo de realização de lucros: o fracasso nas negociações dos senadores norte-americanos em torno do plano de ajuda de US$ 14 bilhões às montadoras. O mercado abriu muito pressionado, revelando a surpresa dos investidores no mundo todo com o desfecho do caso no Senado. Mas a sinalização dada pela Casa Branca no início da tarde de que estuda usar recursos do Tarp, o programa de ajuda às instituições financeiras de US$ 700 bilhões, para as montadoras, aliviou um pouco a tensão.  Veja também:EUA estudam usar plano de US$ 700 bi para ajudar montadorasGM e Chrysler avaliam concordata após fracasso de pacoteFracassa reunião sobre montadoras nos EUA Ex-presidente da Nasdaq é preso por fraude bilionária nos EUADe olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  O Ibovespa conseguiu virar para o lado positivo no começo desta tarde e passou a oscilar entre o terreno negativo e positivo. Às 14h26, o índice tinha leve alta de 0,11%, enquanto em Wall Street as bolsas ensaiavam uma melhora pouco consistente. O Dow Jones reduziu a baixa para 0,84%, o S&P 500 cedia 0,72% e o Nasdaq subia 0,34%. As ações da General Motores, que chegaram a desabar 30% no pré-mercado, reduziram a perda para 5,34% por volta das 13h40, com o mercado mais esperançoso de que a Casa Branca possa evitar a concordata da montadora. Na Europa, as perdas também diminuíram e giravam em torno de 1% e 2%, tendo como destaque também as ações das montadoras. Pesa ainda em Wall Street o noticiário ruim sobre o setor financeiro. Ontem à noite, o Bank of America anunciou a previsão de demissão de até 35 mil funcionários em três anos. Os dados econômicos divulgados nos EUA, como PPI de novembro, vendas no varejo e confiança do consumidor de Michigan, não vieram bons, mas também não foram piores do que o previsto. Os preços das commodities, que vinham numa trajetória de recuperação nos últimos dias, contribuindo para a melhora gradual da Bolsa, estão devolvendo os ganhos na esteira do colapso nas negociações dos senadores em relação à montadoras.Petrobras Na quinta, as ações de Petrobras evitaram uma queda maior da Bovespa (baixa de 1,24%) na reta final do pregão, seguindo a disparada do preço do petróleo, que encerrou em alta de mais de 10% o barril na Nymex, acima de US$ 47. Mas hoje o quadro é o oposto da véspera.O petróleo registra baixa superior a 6%, retrocedendo ao nível de US$ 44 o barril na Nymex eletrônica. Mas a melhora esboçada em Wall Street e o vencimento de opções sobre ações na segunda-feira mantêm os papéis voláteis. Depois de terem operado em baixa de mais de 4% logo na abertura, os papéis iniciam a tarde no terreno positivo. Petrobras PN subia 0,81% e a ON avançava 1,37% às 13h57. Mais cedo, a Petrobras informou que contratou financiamento com um pool de bancos japoneses no valor de 75 bilhões de ienes, algo em torno de US$ 750 milhões. O contrato, firmado no último dia 10 de dezembro, tem prazo de dez anos e seguro da agência de fomento à exportação japonesa Nippon Export and Investment Insurance (Nexi). Segundo o diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, as condições oferecidas pelo pool de bancos japoneses foram "extremamente atrativas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.