Werther Santana/Estadão-30/11/2018
Werther Santana/Estadão-30/11/2018

Bolsa perde força após bater novo recorde

Na manhã desta quarta-feira, Ibovespa chegou a registrar 120 mil pontos

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2020 | 10h55

Após ultrapassar a marca dos 120 mil pontos e bater novo recorde, o Ibovespa (principal índice da B3) perde força no início da tarde desta quarta-feira, 30, no último pregão do ano. O movimento da Bolsa de São Paulo destoa da modesta alta das bolsas em Nova York. Às 13h42, o Ibovespa cedia 0,13%, aos 119.256,81 pontos, ante mínima de 119.200,61 pontos e máxima de 120.149,85 pontos. 

"Não tem motivo específico. Bateu recorde hoje e é natural arrefecer um pouco", diz um operador, acrescentando que não descarta a possibilidade de o índice voltar a ficar no campo positivo e ganhar ímpeto, dado que nos EUA as bolsas seguem em alta. O especialista em ações explica que nessa reta final do ano muitos investidores deixam para ajustar a carteira na última hora, o que pode inflar o volume negociado. 

Ontem, a Bolsa já havia atingido a maior cotação durante o pregão, chegando a 119.860 pontos, mas depois acabou recuando e fechou o dia aos 119.409 pontos. O recorde de fechamento do Ibovespa foi alcançado em 23 de janeiro, quando atingiu 119.527 pontos.

No auge da crise da covid, a Bolsa chegou a cair abaixo dos 70 mil pontos. A retomada veio nos últimos meses e acelerou em novembro, principalmente com o avanço das vacinas e sinais de recuperação da economia mundial, que dão um certo otimismo para 2021.

No Brasil, a avaliação é que a demanda por commodities pode crescer, o que mantém o otimismo de analistas com o Ibovespa, mesmo após a alta recente. A Eleven Financial, por exemplo, acredita que o índice pode chegar a 133 mil pontos no próximo ano.

No caso do dólar, há uma certa oscilação nas cotações nesta quarta-feira. Por ser o último pregão do ano, a previsão é de liquidez fraca, visto que boa parte das tesourarias corporativas já realizaram as operações cambiais e remessas que precisavam. Apenas um volume residual é esperado para hoje. Às 13h31, o dólar caía 0,27% aos R$ 5,1692. Na mínima do dia, minutos antes, havia marcado R$ 5,1532.

Exterior. Na Europa, as bolsas fecharam o penúltimo pregão do ano em baixa, em meio ao aumento do temor com o avanço da covid-19. O Reino Unido decidiu expandir para mais regiões as restrições à circulação de pessoas anunciadas recentemente, para tentar conter a disseminação da nova variante do coronavírus. A cautela superou o otimismo com o avanço da ratificação do pacto pós-Brexit no Parlamento britânico e a conclusão de um acordo de investimentos entre a União Europeia e a China.

O índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 0,34%, à medida que a liquidez se reduz e os investidores ajustam os portfólios antes do Ano Novo. O FTSE 100, por sua vez, caiu 0,71% em Londres.  Em Paris, o CAC 40 fechou em baixa de 0,22% e o índice DAX, em Frankfurt, recuou 0,31%./ Maria Regina Silva, Matheus Piovesana, Karla Spotorno e Iander Porcella

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.