Bolsa recua 0,66% e dólar encerra o dia cotado a R$ 2,8800

O reajuste das tarifas do setor de telefonia continuou no foco de atenção dos investidores. Segundo apurou o repórter André Palhano, a avaliação quase consensual hoje no mercado financeiro sobre a confusão envolvendo os reajustes das empresas de telefonia fixa é de que o governo acabou criando um ruído político desproporcional ao tamanho do fato. Os analistas também acreditam que ainda há alguma lenha para essa fogueira, sobretudo consideradas as declarações feitas hoje pelo ministro das Comunicações, Miro Teixeira, de que o Ministério Público questionará os reajustes anunciados ontem pela Anatel (veja mais informações nos links abaixo).No mercado de ações, o Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 0,66%. No mercado de juros, as taxas recuaram um pouco. Os contratos com taxas pós-fixadas e vencimento em janeiro, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagam taxa de 23,010% ao ano. Ontem estavam em 23,070% ao ano.O dólar comercial fechou cotado a R$ 2,8800 na ponta de venda, em baixa de 0,69% em relação aos últimos negócios de ontem. Com este resultado, a moeda norte-americana acumula queda de 3,03% em junho e de 18,64% no ano.Leia também: » Impacto de reajuste deve ser menor que 1%, diz Meirelles » Genoíno nega constrangimento com reajuste de telefones » BrT e Telemar publicam novas tabelas de preços » Presidente da Anatel diz que não afrontou Lula » Governo respeitará os contratos com as teles, diz Palocci » Lula pede a Anatel que só conceda reajuste após negociação » Telefônica antecipa à Agência Estado que aumento será de 28,7%, de uma só vez,

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.