Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Bolsa segue em alta apesar de inflação

A divulgação da segunda prévia do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) surpreendeu o mercado. A variação de 3,86% ficou acima das previsões e reacendeu preocupações com a inflação. Dólar e juros subiram, ainda que moderadamente. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou novamente em alta, refletindo a melhora nas expectativas em relação ao novo governo.O IGP-M é o índice mais contaminado pela alta do câmbio e apresenta resultados significativamente maiores do que os demais indicadores de variação no custo de vida. Mas corrige muitas tarifas e contratos, ou seja, tem importante efeito indireto sobre a inflação. Como há muitos indícios de forte pressão mesmo nos preços não afetados diretamente pelo câmbio, a preocupação continua.Se a inflação não ceder, o governo pode ser obrigado a elevar ainda mais os juros. Com isso, o crédito fica mais caro, o consumo cai e fica mais difícil realizar repasses de preços. Porém, muitos analistas não se precipitaram, pois um aumento nos juros só tem efeito sobre a inflação ao longo do tempo, podendo demorar de 6 a 9 meses para ser percebido. Não se pode superestimar esse resultado, mas de qualquer forma não é um bom sinal.Já a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) segue em trajetória de alta, animada pelos primeiros sinais de volta de capitais estrangeiros e melhora nas expectativas em relação ao próximo governo. Em encontros com o Fundo Monetário Internacional e representantes do Tesouro norte-americano, o discurso petista vem sendo elogiado nos últimos dias, um sinal importante de confiança.MercadosO dólar comercial foi vendido a R$ 3,5600 nos últimos negócios do dia, em alta de 0,99% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 3,5430 e R$ 3,5850. Com o resultado de hoje, o dólar acumula uma alta de 53,71% no ano e queda de 8,95% nos últimos 30 dias.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagam taxas de 22,730% ao ano, frente a 22,750% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 27,700% ao ano, frente a 27,420% ao ano negociados ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 1,11% em 10404 pontos e volume de negócios fraco, de R$ 307 milhões. Com o resultado de hoje, a Bolsa acumula uma alta baixa de 23,49% em 2002 e alta de 11,33% nos últimos 30 dias. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, 16 apresentaram baixa. O principal destaque foram os papéis da Embratel Os PN (preferenciais, sem direito a voto), fecharam em alta de 15,56%; os ON (ordinárias, com direito a voto) subiram 20,50%. Mercados internacionais Às 18h, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - operava em alta de 0,20% (a 8863,3 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - subia 0,30% (a 1472,00 pontos). O euro era negociado a US$ 0,9966; uma queda de 0,57%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em alta de 1,13% (492,57 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.