Bolsa sem CPMF: fiscalização é das corretoras

A suspensão de cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF) nos negócios com ações está em vigor desde hoje. Dado que o acerto financeiro nesse mercado é feito com 3 dias úteis de defasagem, isso significa que não recolhem a contribuição as operações que foram realizadas a partir da última quarta-feira, dia 10. Além dos negócios com ações, não haverá cobrança da CPMF também nas operações com derivativos, como opções e Ibovespa Futuro. Para mais informações sobre a isenção e sobre os efeitos esperados no investimento em bolsa, veja o link abaixo.Do ponto de vista operacional, o que muda é que o investidor terá que abrir uma conta em corretora para que nela sejam registradas todas as operações isentas de CPMF. Anteriormente, a contribuição era cobrada quando o dinheiro saía da conta corrente do investidor que comprava os papéis. A partir de agora, as corretoras precisam avisar quais os recursos que saem da conta para a compra de ações, evitando assim o recolhimento. Segundo o presidente da Associação Nacional das Corretoras (Ancor), Paulino Botelho, será responsabilidade das corretoras fiscalizar que o cliente esteja efetivamente aplicando na Bolsa.

Agencia Estado,

15 de julho de 2002 | 15h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.