Bolsa sobe 0,92% e dólar recua 1,17% para R$ 2,9450

Boas notícias, entre elas a elevação da perspectiva para os ratings soberanos do Brasil de "estável" para "positiva" hoje pela agência de classificação de crédito Fitch, e a farta liquidez no mercado cambial estimularam tesourarias de bancos e exportadores a aumentarem a oferta de moeda norte-americana. O dólar comercial encerrou o dia cotado a R$ 2,9450 na ponta de venda dos negócios ? baixa de 1,17% em relação às últimas operações de ontem. Durante o dia, a cotação da moeda norte-americana oscilou entre os patamares de R$ 2,9800 e R$ 2,9350. Com o resultado desta terça-feira, o dólar registra queda de 0,84% nos dois primeiros dias de junho e baixa de 16,81% no acumulado do ano. No mercado de juros, segue a polêmica sobre a condução da política monetária. Os investidores continuam atentos ao comportamento da inflação, já que a equipe econômica tem reforçado o discurso de que a definição da Selic, a taxa básica de juros da economia, dependo do recuo dos índices inflacionários. Hoje, na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), os contratos com taxas pós-fixadas e vencimento em janeiro pagavam taxas de 24,22% ao ano ? contra 24,38% ao ano de ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 0,92%, para a máxima pontuação do dia (13.350 pontos base). O volume de negócios somou R$ 624 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.