Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Bolsa sobe 2,34% com salto em NY

Nos EUA, o avanço de um índice da construção e sinais de inflação reduziram temor sobre pior cenário para economia

Claudia Violante, Silvana Rocha e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

18 de março de 2009 | 00h00

Depois de uma manhã incerta, a Bovespa firmou-se em alta ontem à tarde e encerrou com ganho de 2,34% e na pontuação máxima, aos 39.510,72 pontos. A bolsa paulista foi beneficiada pelo aumento dos ganhos dos índices acionários norte-americanos. A demanda por ações da Vale e da Petrobrás por investidores estrangeiros e o avanço dos preços do petróleo ajudaram a amparar a valorização da bolsa. Os papéis da Sadia e da Perdigão foram destaque no pregão, em meio às notícias de que as empresas estariam negociando uma união. No mês, o Ibovespa passou a acumular ganho de 3,48% e, no ano, de 5,22%. Em Wall Street, o inesperado aumento de 22,2% no número de obras de residências iniciadas nos EUA em fevereiro e sinais de alguma inflação no atacado reduziram as preocupações sobre o pior dos cenários, de uma recessão combinada com deflação. O índice Dow Jones subiu 2,48% e o Nasdaq disparou 4,14%. Os mercados de juros e de câmbio registraram poucos negócios em meio a expectativas sobre a divulgação, amanhã, da ata da reunião do Copom deste mês. O juro de janeiro de 2010 recuou para 9,95%. O dólar subiu 0,35%, a R$ 2,285 no balcão, após cair 3,11% nas três sessões anteriores FRASELuiz C. Bresser-PereiraEx-ministro da Fazenda ao AE Broadcast Ao Vivo''De repente descobriu-se que a poupança dá garantia de juros excessiva. Há problemas que precisam ser atacados, como a caderneta de poupança''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.