Bolsa sobe; dólar, risco Brasil e juros caem

A percepção de que as taxas de juros nos EUA poderão subir menos do que se esperava, aliada aos bons números da economia brasileira, animaram os investidores nesta sexta-feira. Pelo segundo dia consecutivo, a bolsa de São Paulo encerrou o pregão em alta, apesar da queda no mercado acionário dos EUA. O Ibovespa subiu 1,03%, para 21.568 pontos, com giro de R$ 1,188 bilhão. A bolsa fechou a semana com valorização acumulada de 3,94%. As ações das empresas de telecomunicações e de energia subiram por causa dos reajustes tarifários. As três maiores altas foram Eletropaulo, Light e Telesp.O dólar comercial fechou em queda de 1,04%, a R$ 3,042 - menor cotação desde 6 de maio. Nesta semana, a moeda norte-americana caiu 2,22%. O risco País recuou 23 pontos para encerrar a 623 pontos base - mais baixo desde 26 de abril. O C-bond subiu 2,04%, cotado a 93,750 centavos por dólar. Os juros futuros também recuaram com o ambiente mais positivo. Os contratos de janeiro, os mais líquidos, fecharam o dia com taxa de 16,28%, contra 16,48% da quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.