Márcio Fernandes/ Estadão
Márcio Fernandes/ Estadão

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Bolsa sobe e fecha acima dos 64 mil pontos pela 1ª vez no ano

O Índice Bovespa teve alta de 0,42% e registrou o maior nível desde abril de 2012; dólar fecha em alta de 0,62% no mercado à vista

Paula Dias e Lucas Hirata, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2016 | 18h38

SÃO PAULO - Os investidores estrangeiros voltaram a dar sustentação à Bovespa, que fechou no patamar acima dos 64 mil pontos pela primeira vez no ano. O noticiário não trouxe grandes novidades, mas o apetite do investidor por ativos de risco manteve-se firme, principalmente no período da tarde, quando um movimento de realização de lucros do período da manhã foi absorvido. Ao final dos negócios, o Índice Bovespa teve alta de 0,42%, aos 64.108,08 pontos, maior nível desde 3 de abril de 2012.

As ações da Vale repetiram o rali da véspera e dispararam mais uma vez, exercendo forte influência sobre o resultado do Ibovespa. Os papéis foram  impulsionados ainda pela perspectiva de resultados positivos, numa onda de otimismo iniciada ontem, com a divulgação do relatório de produção do terceiro trimestre e a melhora da recomendação de compra das ações. Vale ON e PNA terminaram o dia com ganhos de 4,24% (ON) e 4,02% (PNA). 

A alta da Vale contagiou os papéis do setor siderúrgico e metalúrgico, que dividiram com a mineradora a lista de maiores altas do Ibovespa. Gerdau Metalúrgica PN ficou no topo, com ganho de 6,75% seguida por Usiminas PNA, que avançou 6,45%. Com petróleo valorizado e perspectivas positivas para a empresa, os investidores estrangeiros também buscaram os papéis da Petrobras, que subiram 1,90% (ON) e 1,18% (PN).

O pregão mostrou que perdeu força a cautela com o cenário político, reacendida na quarta-feira com a prisão do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A possibilidade de o ex-parlamentar fechar um acordo de delação premiada que comprometa integrantes da base do governo é tida como real, mas a preocupação foi deixada em suspenso, segundo operadores.

O balanço de recursos externos na Bolsa mostra que na última quarta-feira, dia da prisão de Eduardo Cunha, o saldo de recursos externos na Bovespa ficou positivo em R$ 88,517 milhões. Naquele dia, o Ibovespa fechou em baixa de 0,43%. Em outubro, até o dia 19, a Bolsa tem saldo positivo de R$ 3,104 bilhões. O acumulado de 2016 soma R$ 16,148 bilhões em recursos externos. Com o resultado de hoje, o Ibovespa contabilizou ganho de 3,79% na semana, levando o acumulado de outubro para 9,84% e o do ano para 47,89%.

Dólar. O dólar fechou em alta de 0,62% no mercado à vista, aos R$ 3,1593, limitando a queda na semana a 1,36%. O avanço do dólar no exterior abriu caminho para uma correção no câmbio doméstico, após três dias consecutivos de baixa da divisa norte-americana frente ao real. Na máxima do dia, a divisa norte-americana marcou R$ 3,1686 (+0,92%), poucos minutos antes do encerramento. De acordo com dados registrados na BM&F Bovespa, o volume de negócios somou US$ 1,310 bilhão.

O ajuste do câmbio ganhou força, principalmente durante o período vespertino, em decorrência da busca por proteção antes do fim de semana, quando teme-se que possam surgir novos "ruídos" no cenário político ligados à prisão do ex-deputado Eduardo Cunha. Domesticamente, a alta do dólar foi acentuada por causa da correção, após a queda de 2,22% nas três sessões até ontem. 

No segmento futuro, o contrato para novembro terminou em alta de 0,21%, aos R$ 3,1565, enquanto a máxima registrou R$ 3,1765 (+0,84%). O giro totalizou US$ 14,810 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.