Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Bolsa sobe e ganha 11,54% em março

Alta desta quinta-feira reflete ganhos dos índices de ações nos EUA e novas medidas do governo brasileiro

Claudia Violante, Silvana Rocha e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2009 | 00h00

A Bovespa seguiu em alta ontem, de 1,89%, atingiu a maior pontuação desde 6 de fevereiro, aos 42.588,66 pontos, e passou a apurar valorização de 11,54% em março. O desempenho foi assegurado pela continuidade da valorização das bolsas norte-americanas e as novas medidas do governo brasileiro. As ações da Vale, siderúrgicas, bancos e construtoras foram destaques positivos, em reação ao pacote da habitação e as ações para financiamento habitacional anunciadas pelo Conselho Monetário Nacional, além das deliberações para reativar as operações de captações e empréstimos dos bancos pequenos e médios. Nos EUA, os investidores ignoraram os sinais de aumento no desemprego e se posicionaram para uma recuperação da economia comprando ações. O índice Nasdaq, do setor de tecnologia, avançou 3,80%, apagou as perdas do ano e passou a mostrar leve ganho de 0,63%.O Dow Jones subiu 2,25% e passou a apurar alta de 21% desde o fechamento no menor nível em 12 anos em 9 de março. No mercado de juros, as taxas recuaram com os fracos dados de atividade no País em fevereiro. O juro de janeiro de 2010 caiu a 9,70%. O dólar cedeu 0,36%, a R$ 2,240 no balcão.FRASEGustavo FrancoSócio da Rio Bravo Investimentos ao AE Broadcast ao Vivo"Variável mais importante para combater crise é queda do juro. Podemos pensar em taxa Selic mais perto do nível da Taxa de Juros de Longo Prazo. Não há muito o que fazer pelo lado fiscal"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.