Bolsa sobe mais de 1% e atinge 45 mil pontos pela 1ª vez

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) bateu novo recorde de alta nesta terça-feira, com investidores mantendo perspectivas otimistas para o mercado acionário brasileiro, que subiu quase 33% no ano passado. Na máxima pontuação do dia, o Ibovespa - índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa - bateu em 45.291 pontos, em alta de 1,84%. Às 15h54, a Bolsa opera com alta de 1,81%, 45.279 em pontos. Sem a referência de Wall Street - as bolsas estão fechadas em homenagem ao ex-presidente norte-americano Gerald Ford -, o mercado acompanhava o bom desempenho das bolsas européias. O recorde anterior alcançado durante o dia (intraday) foi alcançado no dia 28 de dezembro, às 11h44, com 44.674 pontos. Analistas desenham para 2007 um cenário favorável para a Bolsa, assim como o que foi verificado no ano passado. Isso porque, no cenário interno, as taxas de juros devem continuar caindo, a inflação seguirá controlada e o crescimento econômico deve ficar em torno de 3,5%, ante os 2,7% a 3,0% esperados para 2006.No cenário externo, as condições também são boas, com crescimento ainda robusto da economia mundial, puxado sobretudo pela China e outros países asiáticos, inflação baixa e sobra de dólares alimentando os mercados emergentes.Outro ponto positivo para as bolsas é a trajetória do risco País - taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro em relação á capacidade de pagamento da dívida do País -, que bateu no patamar mínimo de 190 pontos na quinta-feira passada, último dia útil do mercado financeiro em 2006. Orientação para o investidorAlexandre Maia, economista-chefe e sócio da Gap Asset Management, disse à repórter do jornal O Estado de S. Paulo, Rosângela Dólis, que as ações de empresas de alguns setores, como de mineração e petróleo, estão se valorizando acima do índice da Bovespa. ?São empresas que estão surfando na onda de crescimento mundial?, diz Maia. Por isso, ele diz que o investidor pode ter maior ganho em fundos de ações ativos, que procuram as melhores oportunidades no mercado, que em fundos de ações que têm o objetivo de ?copiar? o Ibovespa.O administrador de investimentos Fábio Colombo defende uma redução da exposição às bolsas: ?Recordes como os atuais podem ser os momentos de pico, e por isso é preciso ter cautela", disse.Regra geral, o dinheiro que o investidor deve colocar em Bolsa é aquele que não tem data definida para ser usado. Desta forma, será possível esperar o melhor momento para efetuar o resgate. Dinheiro que já tem objetivo certo pode ser aplicado em ativos que rendem taxas de juros. Apesar da queda das taxas nos últimos meses, o juro real no Brasil - taxa nominal descontada a inflação - ainda é muito alta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.