Bolsa sobe pouco, só 0,18%, contida por queda da Petrobrás

Mesmo sem novidades concretas sobre um novo pacote de resgate à Grécia, o mercado manteve nessa segunda-feira o voto de confiança num desenlace favorável para o problema . Reunidos ontem em Luxemburgo, os ministros de Finanças da zona do euro manifestaram confiança de que a Grécia aceitará as medidas de austeridade fiscal necessárias para obter outra parcela de ajuda financeira e evitar um calote. Hoje, o Parlamento grego deverá votar as medidas de redução de gastos públicos. Essa expectativa positiva elevou bolsas nos EUA, porém, na Europa, elas cederam diante das incertezas.

Claudia Violante, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2011 | 00h00

A melhora do rating do Brasil pela Moody''s de Baa3 para Baa2, com perspectiva positiva, foi bem recebida, mas não empolgou. Os investidores já estão reduzindo o ritmo de trabalho, especialmente na Bolsa e nos juros, onde a liquidez começa a se estreitar devido ao feriado nacional de quinta-feira (Corpus Christi). Apesar de faltar poucos dias para o final do semestre, os agentes financeiros não ousam assumir posições, o que seria um movimento natural para esta época do ano. A Bovespa subiu 0,18%, aos 61.168,24 pontos, contida pela queda dos papéis de Petrobrás (PN, -0,60% e ON, -0,66%), devido ao exercício de opções sobre ações e à rejeição do plano de investimentos da companhia pelo Conselho de administração, na última sexta-feira.

Nos juros, os negócios ficaram restritos a ajustes de carteiras. Jà o dólar viu o giro à vista voltar à normalidade, o que é atribuído ao aumento da volatilidade e à antecipação de negócios devido ao feriado desta quinta-feira. O dólar fechou a R$ 1,5960 (-0,06%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.