Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bolsa tem 4ª alta, dólar e juro caem

Identificação de bancos que pegaram empréstimo do BC dos EUA não impede avanço das ações em Nova York

Claudia Violante, Silvana Rocha e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2023 | 00h00

A manutenção dos ganhos das Bolsas em Nova York e São Paulo após o Citigroup, JP Morgan, Bank of America e Wachovia informarem que recorreram à linha de redesconto do Fed, com tomada de empréstimo de US$ 500 milhões cada um, permitiu a queda do dólar e dos juros ontem. O recuo do petróleo nos EUA e a alta dos metais favoreceram o desempenho das ações. Antes disso, as Bolsas já haviam subido na Ásia e Europa em meio à expectativa de que o Federal Reserve poderá cortar a taxa básica de juros antes de 18 de setembro. O declínio da aversão ao risco Brasil para o nível mais baixo em uma semana também acalmou o mercado. O risco País despencou 6,91%, a 202 pontos-base. A Bovespa saltou 3,87%, para 51.744,6 pontos. O dólar à vista caiu 1,18%, a R$ 2,012 na BM&F, e 1,13%, a R$ 2,011 no balcão. O juro janeiro 2010 cedeu a 12,08%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.