Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Bolsa termina a semana com queda de 3%

Nesta sexta, a Bolsa paulista encerrou a sessão em alta de 0,19%, aos 59.076,0 pontos

Claudia Violante, da Agência Estado,

08 de fevereiro de 2008 | 18h25

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) trabalhou descolada do pregão norte-americano nesta sexta-feira, 8, favorecida, mais uma vez, pela alta das ações da Petrobras e, ainda, pela Vale. Os ganhos do fechamento, no entanto, não revelam o sobe-e-desce que se viu durante toda a sessão, justificado pelos temores de recessão da economia norte-americana e pela ausência de indicadores que trouxessem mais sinais para clarear estas percepções. A Bolsa paulista encerrou a sessão em alta de 0,19%, aos 59.076,0 pontos, depois de oscilar entre a mínima de 58.843 pontos (-0,21%) e a máxima de 59.520 pontos (+0,94%). No mês, o índice acumula perda de 0,70% e, no ano, de 7,53%, sendo que apenas nesta semana, apesar de apenas três sessões, o índice registrou baixa de 3,28%. O volume financeiro foi fraco e somou R$ 4,678 bilhões (preliminar).  Os papéis da Petrobras continuaram favorecidos pelo relatório divulgado ontem pelo BG Group com estimava de reservas maiores para o megacampo de Tupi, embora no final do dia a Petrobras tenha explicado que se tratava de uma metodologia diferente da sua. O comportamento em alta do petróleo no exterior também teve peso no comportamento da ação. Petrobras PN subiu 0,68% e ON, 0,29%.  A Vale por sua vez, se beneficiou do avanço dos papéis de mineradoras na Europa, dos metais, da defasagem dos últimos dias e, por fim, do noticiário favorável. As ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Vale subiram 2,10% e as preferenciais (PN, sem direito a voto) subiram 1,82%. Petrobras e Vale são as duas empresas com maior participação individual no Ibovespa e, por isso, conseguem mexer no comportamento do índice.  Nos EUA, as bolsas caíram praticamente o dia todo, reagindo hoje também às notícias ruins vindas da Europa, onde circularam rumores de que uma grande instituição financeira européia estaria desmontando posições em derivativos de crédito. O mercado ainda ficou ressabiado com a informação de que a MBIA aumentou sua oferta de ações ontem para US$ 1 bilhão. Isso porque reacendeu as preocupações com as seguradoras de bônus, a bola da vez na onda da crise. Às 18h19, o Dow Jones caía 0,63%, o S&P, 0,57% e o Nasdaq, 0,19%.

Tudo o que sabemos sobre:
Mercado financeirocrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.