Bolsa usa prática de guerrilha para aprovar isenção da CPMF

O presidente da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), Raymundo Magliano Filho, disse que há uma grande expectativa de aprovação de isenção da CPMF para as Bolsas em segundo turno no Senado, na próxima terça-feira. Ele afirmou que o resultado obtido no primeiro turno de votação foi como uma verdadeira prática de guerrilha urbana nos últimos 12 meses.Magliano disse que foram enviadas 370 cartas para os parlamentares, instalado uma central na Bovespa com 33 pessoas para esclarecer aos deputados e senadores sobre a importância da isenção da CPMF para a sobrevivência da bolsa e preservar o mecanismo de capitalização das empresas nacionais.Ele afirmou também que 10 operadores da Bovespa fizeram ações no Congresso Nacional, de maneira sistemática, desde agosto de 2001.

Agencia Estado,

09 de junho de 2002 | 10h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.