Bolsas aceleram queda após indicadores negativos nos EUA

Pedidos de auxílio-desemprego subiram para 378 mil no país e OCDE reduziu estimativa do PIB norte-americano

Agência Estado,

20 de março de 2008 | 10h39

As bolsas européias e os futuros de Nova York responderam com pessimismo ao relatório divulgado nesta quinta-feira, 20, sobre os pedidos de auxílio-desemprego feitos nos EUA na semana passada. Os dados do Departamento do Trabalho revelaram que a média de pedidos em quatro semanas e o volume de benefícios recebidos há mais de uma semana cresceram para níveis não vistos desde outubro de 2005 e desde agosto de 2004, respectivamente.   Veja também: OCDE reduz previsão de crescimento dos EUA em 2008 Cronologia da crise financeira   Juro americano cai para 2,25% e Fed sinaliza novas reduções  Entenda a crise nos Estados Unidos   O sobe e desce do dólar  Veja os efeitos da desvalorização do dólar   Às 10h15 (de Brasília), Londres caía 1,14%; Frankfurt perdia 1,06% e Paris operava em baixa de 1,28%. O futuro Nasdaq-100 operava em baixa de 0,01% e o S&P 500 avançava 0,08%. A queda nos futuros é limitada pelo balanço da Nike. As informações são da Dow Jones.   Em outro relatório divulgado nesta quinta, a Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE) reduziu acentuadamente sua previsão de crescimento para os Estados Unidos, reforçando temores de que a maior economia do mundo está caminhando para uma recessão.   A OCDE estima que o PIB (Produto Interno Bruto) dos Estados Unidos crescerá apenas 0,1% no primeiro trimestre deste ano e que haverá um período de estagnação nos três meses seguintes. A previsão anterior, realizada em dezembro, era de um crescimento de 0,3% e 0,4% respectivamente nos primeiros meses de 2008.       Auxílio-desemprego     Os pedidos de auxílio-desemprego nos EUA subiram em 22 mil para 378 mil na semana encerrada em 15 de março, depois de ajustes sazonais, informou o Departamento de Trabalho nesta quinta-feira, 20. Economistas previam um aumento de 3 mil pedidos. O dado da semana anterior foi revisado para cima em 3 mil pedidos, para 356 mil.   A média de pedidos em quatro semanas aumentou em 6 mil para 365.250, o maior nível desde outubro de 2005. O número de benefícios recebidos há mais de uma semana aumentou em 32 mil para 2.865.000 na semana encerrada em 8 de março. É o maior avanço desde agosto de 2004. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
auxílio-desempregoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.