Bolsas americanas recuam e Bovespa reduz alta

Durante a manhã, a reação positiva dos mercados veio em função dos dados sobre trabalho nos EUA

Da Redação,

02 de maio de 2008 | 15h43

As bolsas norte-americanas inverteram e na tarde desta sexta-feira passam a operar com leve queda. Às 15h30, a Dow Jones - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e internet cai 0,10%. A Nasdaq - bolsa de tecnologia - cai 0,70%. No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) reduziu a forte alta apresentada durante a manhã, quando chegou a superar os 70 mil pontos, e opera com valorização de 1,87%, aos 69.134 pontos.   Veja também: Na elite do mercado mundial  Após grau de investimento, Bovespa bate recorde histórico Investment grade reflete boa política econômica, diz S&P 'É o aval de que passamos a ser donos do nosso nariz', diz Lula 'Brasil entra no clube dos mais respeitados', diz Mantega Grau de investimento neste cenário é significativo, diz Meirelles Como o presidente sempre diz, 'nunca antes neste País...' Entenda o que muda no Brasil     Durante a manhã, a reação positiva dos mercados norte-americanos veio em função dos dados sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos. O número de empregos, calculado por pesquisa junto às empresas, caiu 20 mil em abril. Os economistas esperavam um declínio de 85 mil vagas em abril. O departamento revisou os dados dos dois meses anterior, mostrando queda de 81 mil empregos em março e 83 mil em fevereiro, levemente mais do que o estimado originalmente.   As encomendas às indústrias se recuperaram em março e também repercutiram bem junto aos investidores. Os pedidos de bens manufaturados cresceram 1,4%, após uma queda revisada de 0,9% em fevereiro. Originalmente, estimou-se que as encomendas haviam caído 1,3% em fevereiro. Os economistas previam que as encomendas cresceriam 0,3% em março.   Na esteira dos números do mercado de trabalho americano, o dólar atingiu seu nível mais alto ante o euro desde março. No Brasil, a cotação da moeda norte-americana está em R$ 1,6490, em queda de 0,84%.   Os preços dos títulos americanos caíram, com uma onda de vendas mais pesada nos títulos de prazos mais curtos, mas quando as ações reduziram a alta, os operadores voltaram às compras de Treasuries.   Durante a manhã, o petróleo voltou a superar US$ 116 o barril, após testar US$ 110 ontem. Às 12h45 (de Brasília), o petróleo subia 3,15% para US$ 116,06 o barril na Nymex (bolsa eletrônica de Nova York).   Os preços dos contratos de petróleo estão avançando com as tensões geopolíticas, por causa de um ataque aéreo da Turquia contra rebeldes turcos no Norte do Iraque, e o melhor panorama econômico apontado pelos dados divulgados esta manhã nos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.