Bolsas aprofundam perdas no mês punidas por aversão ao risco

O último pregão de julho terminou sem uma solução para o aumento do teto da dívida dos EUA e com a Europa ainda mergulhada em incertezas. Esse ambiente externo conturbado penalizou fortemente os ativos de risco, especialmente ações. Em Nova York, o índice Dow Jones e o S&P-500 registram três meses consecutivos de baixas, o que não era visto desde 2008. O Dow caiu 2,18% em julho e o S&P 500 se desvalorizou 2,15%. Aqui, a Bovespa teve o pior mês desde maio de 2010 e rompeu níveis importantes. A perda acumulada em julho pelo Ibovespa atingiu 5,74%, elevando para 15% a desvalorização no ano. Ontem, depois de oscilar, a Bolsa subiu 0,20% e conseguiu defender o patamar dos 58 mil pontos.

Claudia Violante, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2011 | 00h00

O crescimento mais lento do que o esperado da economia norte-americana no segundo trimestre, de 1,3% ante previsão dos economistas de 1,8%, e a revisão em baixa do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre, de 1,9% para 0,4%, deram mais motivos para os investidores ficarem desapontados.

A fragilidade evidenciada pela maior economia do mundo e o suspense do endividamento dos EUA jogaram contra o dólar nessa sexta-feira. Após ter subido 2,15% nas duas últimas sessões em reação às medidas no mercado de derivativos, a moeda retomou o caminho de baixa, alinhada com o exterior. O dólar caiu 1,02%, a R$ 1,5530 no balcão, também influenciado pela formação da taxa Ptax (taxa média do dólar à vista) de fim de mês.

No day after da ata do Copom, os juros futuros de curto prazo se mantiveram estáveis enquanto as taxas de longo prazo devolveram prêmios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.