Bolsas aprofundam queda no início da tarde

Citigroup anunciou prejuízo de US$ 9,83 bi (US$ 1,99 por ação) no 4º trimestre. Analistas previam US$ 1 por ação

Agências internacionais,

15 de janeiro de 2008 | 14h10

O prejuízo trimestral maior do que o esperado anunciado pelo Citigroup e dados americanos como o de vendas do varejo voltou a pesar sobre as bolsas mundiais. Às 14h, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com queda de 3,28%. O índice Dow Jones - que mede o desempenho das bolsa de Nova York - cai 1,53%. A Nasdaq - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e internet - recua 1,87%.  O banco anunciou prejuízo de US$ 9,83 bilhões (US$ 1,99 por ação) no quarto trimestre, com a crise no mercado de hipotecas de alto risco (subprime) resultando em uma baixa contábil antes de impostos e custos com crédito de US$ 18,1 bilhões para o banco. Analistas previam prejuízo de US$ 1 por ação. Em igual período do ano anterior, a instituição apresentou lucro de US$ 5,13 bilhões (US$ 1,03 por ação). Os resultados do trimestre também incluem um aumento de US$ 4,1 bilhões nos custos relacionados ao portfólio de crédito ao consumo do Citi nos EUA. Paralelamente aos dados, o banco anunciou um aporte de capital, planejando vender US$ 14,5 bilhões em ações preferenciais. Os recursos virão de investidores como Government of Singapore Investment Corp e Capital Research Global Investors, além do antigo presidente e executivo-chefe do banco, Sandy Weill. O banco também cortou seu dividendo em 41%. Em um primeiro momento, as ações do banco reagiram em alta aos dados trimestrais no pré-mercado, mas não resistiram e passaram a cair. No início da tarde, já no pregão regular de Nova York, os papéis do Citigroup eram negociados em baixa de 4,51%, aos US$ 27,75, com volume de US$ 40.708.370. Após a divulgação do balanço, a S&P cortou o rating (classificação) de crédito de longo prazo do Citigroup.  Já as vendas do varejo caíram 0,4%, mostrando um declínio mais pronunciado do que o 0,1% previsto por analistas. O consumo é uma das forças da economia norte-americana. Excluindo automóveis, as vendas tiveram queda de 0,4%, ante previsão de declínio de 0,2%. O dado de vendas do varejo em novembro foi revisado da estimativa original de 1,2% para 1%. Ações do setor bancário sofrem  Outro banco que receberá recursos é o Merrill Lynch. A instituição emitirá US$ 6,6 bilhões em ações preferenciais; os papéis serão comprados pela Korean Investment Corp, pela Kuwait Investment Authority (KIA) e pelo Mizuho Corporate Bank, entre outros. O Merrill Lynch cedia 2,68%. Os papéis do JP Morgan, que divulga seu balanço amanhã, perdiam 3,63%. As ações da Intel, que divulga balanço após o fechamento das bolsas, recuavam 1,50%. Analistas esperam para a Intel, em média, lucro por ação de US$ 0,40 no quarto trimestre ante ganho de US$ 0,26 em igual período de 2006. Para o JP Morgan, o prognóstico é de lucro de US$ 0,97.

Mais conteúdo sobre:
BolsasMercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.