Bolsas asiáticas abrem com resultados mistos

Tóquio opera em alta após perder 11,41% na quinta-feira, a segunda maior queda de sua história

Agências internacionais,

17 Outubro 2008 | 00h50

As bolsas asiáticas abriram o pregão desta sexta-feira com resultados mistos, após uma quinta-feira de resultados negativos no mercado da Ásia.   Veja também: Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise  O caminho até o pré-sal    A Bolsa de Tóquio abriu em alta e por volta das 9h43 (hora local) ganhava 211,00 pontos (+2,49%) a 8.669,45 pontos. Na véspera, o índice Nikkei amargou uma queda de 11,41%, a segunda maior de sua história. O indicador Topix mostrava uma subida de 28,66 pontos (+3,32%) a 893,18 pontos.   O dólar abriu em alta no mercado de divisas de Tóquio, a 101,39 ienes, frente às cotações de 100,40 ienes do fechamento anterior. O euro também começou em alta a 136,79 ienes e a US$ 1,3488, frente às cotações de 134,68 ienes e de US$ 1,3414 da quinta-feira.   Na Bolsa de Xangai, o índice geral operava em alta de 11,9 pontos (0,62%), aos 1.921,84. A de Seul ganhava 0,20%. Nas Filipinas, o índice PSEI de Manila subia 8,42 unidades, 0,40%, até 2.130,79 pontos.   As Bolsas da Austrália e Nova Zelândia apresentavam modestas altas. A Bolsa de Sydney aumentava 1,21% e a da Nova Zelândia 2,50%.   O índice Hang Seng de Hong Kong caía 0,98%, para 15.081,46 pontos.   Em Cingapura, o índice Straits Times baixou 3,21 pontos, 0,16%, para 1.947,99. O indicador SET de la Bolsa de Bangcoc caía até 475,64 pontos, após perder 2,09 pontos, 0,44%.   O indicador composto KLCI de Kuala Lumpur, na Malásia, baixava 4,66 pontos, 0,51%, e abriu 915,36 pontos. Na Indonésia, o indicador JKSE de Jacarta perdia 27,48 pontos, 1,88%, e alcançava 1.435,78 pontos durante a abertura.   No Vietnã, o índice VNIndex caía 2,40 pontos, 0,62%, até ficar em 382,21 unidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.