Bolsas asiáticas abrem com resultados mistos

Índice Nikkei, de Tóquio, ganhava 0,58%; Xangai chegou a operar em baixa, mas reverteu tendência

Agências internacionais,

10 de dezembro de 2008 | 00h59

As bolsas asiáticas abriram o pregão desta quarta-feira, 10, com resultados mistos, graças as incertezas acerca do crescimento econômico e as quedas registradas em Wall Street.   Veja também: Desemprego, a terceira fase da crise financeira global Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise    No Japão, o índice Nikkei da Bolsa de Tóquio abriu em alta e, minutos após o início do pregão, subia 0,58%, para 8.444,39 pontos. Por sua vez, o indicador Topix avançava 0,56%, para 822,55 pontos.   O dólar abriu em baixa no mercado de Tóquio, a 92,31 ienes, contra os 92,55 ienes do último fechamento. O euro era negociado a 119,30 ienes e a US$ 1,2921, frente às cotações de 119,10 ienes e de US$ 1,2868 do último fechamento.   O indicador Kospi, do mercado sul-coreano, subia 6,60 pontos (0,60%), para se situar em 1.112,44 pontos. Já o índice de valores tecnológicos Kosdaq ganhava 1,79 pontos (0,56%) até 320,04 pontos.   O índice Hang Seng da Bolsa de Hong Kong ganhava 192,78 pontos (1,31%), aos 14.946. O índice KLCI da Bolsa de Jacarta subia 0,90 ponto (0,07%), aos 1.267,02.   A bolsa da China começou as operações em ligeira baixa. O índice Shangai Composite apontava queda de 0,1%,aos 2.035,04 pontos. Pouco após a abertura, o mercado chinês já reagia e operava em alta de 0,9% aos 2.056,04 pontos. Para os analistas, o Shanghai Composite deve ficar entre 2000 e 2100 pontos no pregão desta quarta-feira.   Em Manila, o índice PSEI baixava 21,02 pontos (1,09%), aos 1.914,05. A mesma situação acontecia em Cingapura, com o índice Straits Times perdendo 9,08 pontos (0,52%), aos 1.745,50 na abertura.   O indicador KLCI, de Kuala Lumpur, operava em baixa de 0,21 ponto (0,03%), aos 835,38. Em Bangcoc, o indicador SET caía 8,98 ponto (1,31%), aos 676,55.   Texto atualizado às 2h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.