carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Bolsas asiáticas abrem pregão em queda

Tóquio cai 0,44% na abertura; Seul começa em baixa, mas reage após corte de juros

Agências internacionais,

11 de dezembro de 2008 | 01h30

As Bolsas asiáticas abriram o pregão desta quinta-feira, 11, em queda, após a Câmara dos Estados Unidos aprovar um plano de resgate de US$ 14 bilhões para as montadoras. Veja também:Câmara dos EUA aprova plano de resgate para montadorasDesemprego, a terceira fase da crise financeira globalLições de 29Como o mundo reage à crise Dicionário da crise  A Bolsa de Tóquio baixava 0,44%, após ter reagido na véspera com o anúncio de um iminente plano para socorrer as três principais montadoras americanas. O índice Nikkei iniciou em queda de 38,87 pontos, a 8.621,37 unidades. Na quarta-feira, a Bolsa japonesa havia subido 3,15%. A bolsa chinesa abriu o pregão desta quinta-feira em baixa, refletindo o desapontamento gerado pela ausência de indícios de recuperação do crescimento da economia do país. O Shanghai Composite apontava queda de 0,1%, aos 2.076,65 pontos. Analistas afirmaram que o dia deve fechar com a marca em torno dos 2 mil pontos. Apesar de ter aberto em baixa de 0,07%, o indicador Kospi do mercado sul-coreano subia 1,22%, logo após o Banco da Coréia do Sul anunciar corte nas taxas de juros. O índice de valores tecnológicos Kosdaq ganhou 3,22 pontos (0,99%) até 327,37 pontos. O banco central do país anunciou o corte de um ponto nas taxas de juros, para 3%, com o objetivo de enfrentar a crise econômica. Foi a quarta redução dos juros básicos efetivada pelo BOK em dois meses para tentar impulsionar o ritmo da economia e é a menor taxa já praticada pelo país. Acompanhando outros mercados asiáticos, o índice Hang Seng da Bolsa de Hong Kong abriu o pregão de quinta-feira em baixa de 44,12 pontos (-0,28%), aos 15.533,62 pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.